AIP Les élèves-maîtres contractuels du CAFOP d’Aboisso instruits sur les droits et obligations du fonctionnaire AIP Le NDI va soutenir la CEI pour le succès des élections de 2020 (Communiqué) AIP Le ministre des Sports reçoit son dossard n°00001 pour le Handimarathon d’Abidjan (Communiqué) MAP Le Maroc et l’Afrique du Sud officialisent la normalisation de leurs relations (Presse sud-africaine) ANGOP Futsal: Definida selecção para « operação » Zâmbia ANGOP Angolano vence primeiro jogo da pré-época na NBA ANGOP Malanje: FAO defende estratégias de reforço da segurança alimentar ANGOP Artistas angolanos expõem na Feira de Artes de Paris MAP Une nouvelle page s’ouvre dans les relations maroco-sud-africaines MAP Bulletin de l’écologie de l’Afrique

Repatriamento de refugiados da RDC adiado sem data


  19 Septembre      11        Société (13873),

   

Luanda, 19 de Setembro (ANGOP) – O repatriamento organizado dos quatro mil refugiados assentados no campo do Lóvua, Lunda Norte, inicialmente previsto para o dia 18 do corrente, está adiado sem data a pedido das autoridades da República Democrática do Congo (RDC).

A informação foi avançada nesta quinta-feira à Angop pelo chefe do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) na Lunda Norte, Daniel Roger Tam, tendo sublinhado que o adiamento se deve à falta de condições de acolhimento nas províncias de Kassai e Kassai Central, na RDC.

Para ultrapassar o impasse, o responsável do ACNUR disse que a organização está a trabalhar com o governo congolês para que o processo comece na próxima semana.

Daniel Roger Tam afirmou que estão disponíveis cinco viaturas, alimentação e técnicos para apoiar o repatriamento logo que as autoridades congolesas confirmem as condições para o acolhimento dos refugiados.

Os quatro mil refugiados fazem parte de um grupo de nove mil que ainda se encontram assentados no campo do Lóvua.

Durante o repatriamento voluntário e espontâneo regressaram à RDC 14 mil e 724. Deste número três mil e 772 são homens, sete mil e 974 crianças e dois mil e 978 mulheres, dos 18 mil e 800 previstos.

O repatriamento voluntário teve início a 19 de Agosto quando um grupo de refugiados decidiu unilateralmente regressar ao país de origem voluntária e espontaneamente.

O total de cidadãos da RDC na altura acolhidos em Angola, na província da Lunda Norte, em particular, atingiu os 35 mil, destes, 23 mil e 684 foram acolhidos no campo de refugiados do Lóvua, enquanto os restantes 11 mil e 316 estavam distribuídos pelas comunidades da província.

A migração destes cidadãos derivou da violência generalizada causada por tensões políticas e étnicas na República Democrática do Congo (RDC) em Maio de 2017.

Dans la même catégorie