AIP Le ministre Laurent Tchagba en Italie à Rome pour la 27ème session du COFO et la 9ème semaine mondiale des forêts AIB Namentenga : Le haut-commissaire constate la dégradation du radié du barrage de Boulsa AIB Burkina/FSP : La douane mobilise plus de 7 milliards FCFA au premier semestre de l’année 2024 MAP Le Nigeria inflige au groupe Meta 220 millions de dollars d’amende pour violations de la protection des données personnelles (communiqué) AIB Burkina/Terrorisme : Le Premier ministre Kyelem charge l’Allemagne et la France MAP Cameroun : deux civils tués par Boko Haram dans l’Extrême-Nord AIB Garango/Religion: Des populations sollicitent les faveurs de la colline sacrée Boulgou AIB Paix et cohésion sociale : Les Sahéliens prennent langue à travers un colloque régional à Dori APS SENEGAL-MONDE-MEDIAS / Forum des médias de Susha : la détection des fausses informations et la lutte contre la désinformation au menu des échanges APS AFRIQUE-MONDE-CLIMAT / COP 29 : plusieurs chefs d’Etat africains attendus à Baku (Ilham Aliyev)

Caju/Responsável para Comércio e Promoção do projeto “Lifft Cashew” considera positivo o balanço da campanha de comercialização de 2022


  20 Mars      37        Economie (21789),

 

Bissau, 20 Mar 23 (ANG) – O Responsável para Comércio e Promoção do Projeto “Lifft Cashew” na Guiné-Bissau considerou hoje de positivo o balanço da campanha de comercialização de caju de 2022, realçando que as cooperativas das zonas de intervenção do projeto exportaram 63 mil toneladas de castanhas.

Em entrevista exclusiva à Agência de Notícias da Guiné (ANG), Mário Alfredo Mendonça disse que a quantidade da castanha de caju exportada pelas suas cooperativas rendeu 48 mil milhões de francos cfa.

Lifft Cashew apoia pequenos agricultores na comercialização das suas castanhas.

“O nosso projeto também apoia as pessoas carenciadas e prejudicadas pela guerra, apoia na construção das suas casas”, acrescentou Mário Alfredo Mendonça.

Segundo Mendonça, o projeto também trabalha na ligação entre agricultores e infraestruturas, e neste quadro já construiu cerca de 66 quilómetros de estradas, a nível nacional, nas zonas de dificil acesso, para facilitar a evacuação da castanha de caju e permitir aos investidores terem acesso às zonas de pomares.

De acordo com o Responsável de Comércio e Promoção do “Lifft Cashew”, alguns países africanos exportadores da castanha de caju ,inclisivé a Guiné-Bissau, têm perdido muito dinheiro por não reunirem as condições para transformação interna do caju antes de exportação.

“A Índia ganha muito com isso, porque, para além de ser produtor, compra castanha em África, juntando com a tonelada produzida internamente, faz a transformação local para depois comercializar no mercado externo. Isso lhe rende muito dinheiro, e os países africanos devem adotar o mesmo método para obterem mais lucros ”, disse Mário Alfredo Mendonça.

Falando da campanha do ano em curso,Mendonça disse o projeto peprspectiva a exportação de 70 mil toneladas de caju.

“Para alcançarmos este objectivo já estamos em contacto com os grandes compradores, e também já estamos a capacitar os produtores nacionais no terreno, e ofrecemos motocarros aos produtores com que trabalhamos para facilitar o trabalho no campo”, disse o responsável.

Dans la même catégorie