MAP Dakhla: Appel à renforcer la dynamique de l’innovation en Afrique face aux crises mondiales APS Le président Sall préconise un programme de réhabilitation des anciens établissements scolaires publics APS Le Parlement de la CEDEAO veut que justice soit rendue à Amy Ndiaye Gniby APS Violences faites aux femmes : Macky Sall prône « l’application de toutes les mesures prises, depuis 2012 » APS Macky Sall réclame une application rigoureuse du contrôle de légalité des actes des collectivités territoriales APS MTN : 37 districts ciblés pour une distribution de masse de médicaments APS La dernière borne de la frontière terrestre sénégalo-malienne posée MAP Compétences en Afrique: Nécessité d’une approche tournée vers l’avenir (Oxford Economics) MAP Dakhla: Réélection de Driss Guerraoui à la tête du FAAIE MAP Rwanda: la ministre de l’Environnement souligne l’importance de l’économie circulaire

Cinco filmes seleccionados no “Kugoma” em Moçambique


  20 Juillet      167        Cinéma (292), Photos (4436),

   

Cidade da Praia,20 Jul (Inforpress) – Cinco filmes cabo-verdianos, sendo de Chissana Magalhães, Mário Vaz Almeida, Abel Monteiro, Guenny Pires e Grace Ribeiro foram seleccionados para competir na 11ª edição do festival internacional de cinema “Kugoma” de Moçambique.
Os filmes documentários curtas-metragem “O Amigo da Tartaruga”, “Djassi” e “Na Rota do Cinema Africano” “The Vulcano’s Last Wish” serão assim exibidos na 11ª edição do festival, que este ano acontece de 24 a 30 de Agosto, em Maputo.
Em declarações à Inforpress, a realizadora do filme “Djassi”, Chissana Magalhães, mostrou-se “satisfeita” com a selecção do documentário curta-metragem para ao festival de cinema de Moçambique.
“Eu fico particularmente feliz por ser o festival Kugoma, que é o maior de Moçambique, que entre os PALOP, é o país que mais contundentemente tem-se dedicado ao cinema e com grande prestigio a nível de África”, declarou, lembrando que Djassi é o seu primeiro trabalho audiovisual que nasceu no âmbito de um concurso, “Prémio 100 anos Amílcar Cabral” tendo o mesmo conquistado o segundo lugar.
O filme, segundo esta responsável, que foi seleccionado na categoria de “Novos autores do espaço PALOP – Timor Leste” é, igualmente, um motivo de orgulho, justificando que com isso, haverá a inscrição de mais um nome feminino de Cabo Verde no espaço da África lusófona.
A selecção de vários filmes cabo-verdianos para participar no referido festival serve, igualmente, de acordo com Chissana Magalhães, de motivação para a comunidade audiovisual cabo-verdiana.
“Acredito que é esse o caminho, cada vez mais esses exemplos a nos inspirar, a ousar penetrar no espaço internacional e o facto de termos esse movimento em direcção ao continente, penso que é importantíssimo mostrar que Cabo Verde valoriza sim o nosso continente, que quer ter espaço no cinema do continente”, afirmou.
“O Amigo da Tartaruga” foi seleccionado no ano passado para o festival CineEco Seia, em Portugal, e para o catálogo da plataforma de streaming Tellas. o filme retrata a história de um jovem que finta o desemprego, tornando-se mergulhador-guia turístico, acabando por criar um laço afectivo com as tartarugas.
Abel Monteiro, o realizador, conta já com algumas obras no currículo, sendo que mais recentemente foi o vencedor do prémio 100 Anos Amílcar Cabral, com a curta Amílcar Cabral, O Presidente Astral.
“Djassi” foi o segundo galardoado no prémio 100 Anos Amílcar Cabral e estreou em Março na CENA – Mostra de Filmes Realizados por Mulheres.
É o primeiro filme da jornalista e escritora Chissana Magalhães, que iniciou carreira a escrever uma coluna sobre cinema e recentemente colaborou na pré-produção do documentário internacional “Woman”.
“Na Rota do Cinema Africano” surge na sequência da selecção do realizador Mário Almeida e produtor Yuri Ceunink à 1.ª edição do Ouaga Film Lab promovida pelo Instituto imagine em Ouagadougou.
O documentário parte da afirmação de Gaston Kaboré (cineasta burkinabé) “África não pode estar ausente da sua própria imagem” para abordar a opinião de alguns cineastas sobre o “Cinema Africano”. Mário Almeida tem um currículo composto por vários títulos, ficção e documentário, com um prémio do Plateau – Festival Internacional de Cinema, o mais recente dos quais o documentário Inimigo Público #1, sobre o massacre de Monte Txota, e que estreou há poucos meses na Televisão Nacional.
O Kugoma é o festival de cinema moçambicano mais antigo, integrando exibição de filmes, oficinas, masterclasses, exibições em escolas e ajuda a promover novos realizadores de Moçambique e de África.
Este ano o Kugoma introduziu o PALOP-TL Upcoming Filmmaker Award em parceria com a Rede Cinema PALOP – TL.

Dans la même catégorie