AGP Gabon : Décès de l’ancien ministre Fabien Owono Essono AGP Gabon : Des Barrières électriques comme solution au conflit homme-éléphant dans l’Ogooué-Maritime AGP Gabon : La communauté Biafraise manifeste devant le siège de l’ONU à Libreville APS EN JUIN, LES PRIX DES MATÉRIAUX DE CONSTRUCTION ONT CRÛ DE 1, 3 % (ANSD) Inforpress Governo anuncia “amplo programa” de economia social e solidária para pessoas com deficiência Inforpress Músicos santantonenses Ary Kueka e Titita apresentam “Sampadiu” e “Grito di bo Fi” na Praia Inforpress Warriors e os surprendentes Panthers são as finalistas da Praia Basketball League Inforpress Processo de privatização da Electra prevê modalidade de cisão com acções do capital social de duas empresas Inforpress Brava: Mais de 600 famílias já receberam a declaração para regularizar as contas de água e luz Inforpress Covid-19/Santo Antão: Associação dos municípios recebem donativo da ONG portuguesa

CNE pondera processar José Mário Vaz


  2 Décembre      75        Photos (4356), Politique (17847),

   

Bissau,02 Dez 19(ANG) – O presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) da Guiné-Bissau admite « intentar uma ação judicial » contra o Presidente cessante por insinuar « falsidades e calúnias ». José Mário Vaz está fora da corrida presidencial.

« As insinuações, falsidades e calúnias, proferidas nas declarações do candidato José Mário Vaz são apenas manobras de diversão, contudo, a CNE pondera intentar uma ação judicial, com vista a salvaguardar o seu bom nome e dos seus membros », referiu em comunicado divulgado à imprensa, José Pedro Sambú, presidente da CNE.

O Presidente cessante da Guiné-Bissau e candidato às eleições presidenciais realizados no domingo passado (24.11), José Mário Vaz, disse na quinta-feira (28.11) que aceita os resultados, mas salientou que a CNE sabe « perfeitamente » quem deveria estar na segunda volta.

José Mário Vaz não passou à segunda volta das eleições presidenciais na Guiné-Bissau, tendo obtido 12,41% dos votos.

« O candidato José Mário Vaz, bem sabe que os atos administrativos praticados pela CNE na decorrência do processo eleitoral podem ser impugnados por via judicial, à luz do contencioso eleitoral e nos termos permitidos por lei », salienta José Pedro Sambú.

No comunicado, o presidente da CNE exorta os « guineenses a manterem-se coesos e unidos em torno dos pilares da democracia pluralista, banindo do seu seio pessoas mesquinhas, que de forma inconfessa, querem perturbar e aniquilar as conquistas irreversíveis da democracia no pleno do século XXI e no contexto das sociedades modernas ».

ANG/Lusa

Dans la même catégorie