AIP Le ministre Laurent Tchagba en Italie à Rome pour la 27ème session du COFO et la 9ème semaine mondiale des forêts AIB Namentenga : Le haut-commissaire constate la dégradation du radié du barrage de Boulsa AIB Burkina/FSP : La douane mobilise plus de 7 milliards FCFA au premier semestre de l’année 2024 MAP Le Nigeria inflige au groupe Meta 220 millions de dollars d’amende pour violations de la protection des données personnelles (communiqué) AIB Burkina/Terrorisme : Le Premier ministre Kyelem charge l’Allemagne et la France MAP Cameroun : deux civils tués par Boko Haram dans l’Extrême-Nord AIB Garango/Religion: Des populations sollicitent les faveurs de la colline sacrée Boulgou AIB Paix et cohésion sociale : Les Sahéliens prennent langue à travers un colloque régional à Dori APS SENEGAL-MONDE-MEDIAS / Forum des médias de Susha : la détection des fausses informations et la lutte contre la désinformation au menu des échanges APS AFRIQUE-MONDE-CLIMAT / COP 29 : plusieurs chefs d’Etat africains attendus à Baku (Ilham Aliyev)

Comunicação Social/ ONU apoia reforço de capacidades dos jornalistas guineenses em matéria de direitos humanos


  9 Juillet      2        communication (163), Droits de l'Homme (684),

 

Bissau,09 Jul 24 (ANG) –  A Escola Superior de Comunicação e Jornalismo  da Guiné-Bissau em parceria com o Gabinete dos Direitos Humanos das Nações Unidas promovem durante três dias, em Bissau, um workshop de reforço de capacidade dos jornalistas em matéria dos direitos humanos.

Durante três dias, de acordo com o programa de formação entregue aos jornalistas, os participantes vão debater sobre questões relacionadas com a Constituição e os Tratados Internacional Ratificados  pelo Estado guineense, a Interação da Guiné-Bissau com os órgãos  de Tratados e Procedimentos Especiais e bem como a Arquitetura Nacional de Direitos Humanos, entre outras questões.

O referido workshop é financiado pelo Projecto “Ianda Guiné Djunto”, num montante não revelado.

Na cerimónia de abertura do evento, o Bastonário da Ordem dos Jornalistas da Guiné-Bissau(OJ-GB), António Nhaga agradeceu as Nações Unidas pelo apoio concedido para a organização desse evento que considera de “tão importante para o jornalismo guineense”.

António Nhaga instou os presentes a se empenharam muito para adquirir  mais conhecimentos  para  estarem a altura de questionar ou interpelar um responsável sobre a questão dos direitos humanos.

“Devemos aproveitar no máximo um assunto de interesse que pode fazer os  cidadãos nacionais ter  conhecimentos sobre  os direitos humanos para o exercício da sua vida quotidiana”, afirmou o Bastonário.

António Nhaga pediu que sejam aproveitadas as informações que vão ser transmitidas  pela Coordenadora do Gabinete do Alto Comissariado para Direitos Humanos das Nações Unidas, Helizabete da Costa relativamente a revisão periódica dos relatórios das Nações Unidas sobre os direitos humanos, em mais de 193 países.

Em representação do “projecto  Ianda Guiné djunto” entidade financiadora, a sua Coordenadora Racinela da Silva disse que encaram sempre os órgãos da comunicação social como  elemento primordial para consolidação do Estado de direito e na defesa dos princípios que norteiam a democracia.

Disse que a revisão periódica Universal, significa que de cinco em cinco anos, o Conselho dos Direitos Humanos da Nações Unidas reúne em Genebra  para analisar a situação dos direitos humanos dos Estados Membros.

Elisabete da Costa informou que a situação dos direitos humanos da Guiné-Bissau foi discutida em 2010, 2015, 2020 e vai ser novamente debatida em 2025.

“Na reunião vão ser apresentados três  relatórios sobre a situação dos direitos humanos na Guiné-Bissau”, frisou.

Adiantou que o primeiro relatório é sobre a opinião da Sociedade Civil em relação a situação dos direitos humanos na Guiné-Bissau, seguido pelo relatório do Estado guineense sobre os sucessos e desafios .

Aquele responsável disse que no final da reunião o país pode ser  recomendado a adotar algumas normas de proteção.

“No caso da Guiné-Bissau deve-se   assegurar que todas os ataques  contra  jornalistas não fiquem impunes”, disse.

Por isso, Elisabete da Costa sublinhou  que é importante debater e colocar os problemas com que os profissionais se deparam no dia-à-dia do exercício da profissão, porque, caso contrário, os Estados membros não vão saber dos problemas que existem na Guiné-Bissau.

Dans la même catégorie