APS Pathé Badiane : pose de la première pierre d’une stèle dédiée à Maba Diakhou Bâ ANP 1ère rencontre à Niamey des ministres en charge de l’Irrigation des Pays couverts par le projet PARIIS Inforpress Director nacional da educação defende metodologias activas no ensino do Francês em Cabo Verde Inforpress Cabo Verde prevê eliminação de transmissão vertical VIH/Sida em 2024 Inforpress Abraão Vicente participa no Fórum de Investimento e Comércio de Impacto na Guiné-Bissau AIP Des acteurs de la pêche réfléchissent sur les enjeux socio-économiques des petits pélagiques AIP Le PM Patrick Achi appelle à une administration publique au service du citoyen AGP Réhabilitation de la voirie urbaine de Boké : La Société CDM-CHINE offre 20 tonnes de ciments à la Commission de suivi AGP Siguiri/Société : Deux frères périssent dans une mine d’or à Kolenda AGP Siguiri/Société : Une maison et tout son contenu réduit en cendres dans la commune urbaine

Comunicação Social/“Atribuição da carteira profissional é única solução para combater o fenómeno “jornalismo político”, diz António Nhaga


  5 Octobre      1        média (215),

   

Bissau, 05 Out 22 (ANG) – O Bastonário de Ordem dos Jornalistas da Guiné-Bissau (OJGB) disse que, a única solução para combater o fenómeno “jornalismo político” é começar a classificar a classe jornalística através de atribuição da carteira profissional de jornalismo.
António Nhaga falava hoje em entrevista à ANG sobre o fenómeno “jornalismo político” que está a ganhar espaço dentro da classe jornalística guineense, no qual lamentou e condenou adesão progressiva e cada vez mais dos profissionais aos partidos politicos, num país onde as pessoas já têm ideia do é jornalismo.

Disse que, como se não basta, o subsídio da cobertura jornalística nos trabalhos do jornalismo constitui o maior problema do fenóminoʺ jornalismo partidário”.

Sublinhou que neste momento nem a Ordem, nem o Sindicados dos Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social têm poder de resolver esta questão, a não ser por meio de atribuição da carteira profissional e em caso da violação das condutas deontológicas que lhe seja retirada a carteira.

“Como ainda não há carteira profissional e a nossa profissão é aberta e onde qualquer pessoa no nosso país é jornalista, neste momento a Ordem dos Jornalistas está um pouco fragilizada no sentido em que por mais que falamos ninguém nos dá ouvidos”, explicou

Pediu ao Presidente da República para promulgar a lei de atribuição da carteira profissional e consequentemente a sua publicação no Boletim oficial e entrar em vigor.

O Bastonário acrescentou que, se o referido documento entrar em vigor vai permitir classificar os jornalistas com emissão de carteiras profissionais, adiantou que, esta é a solução imediata, fácil e consistente para resolução do problema.

Para aquele responsável, enquanto não existir a forma de como sancionar jornalistas, não se pode travar essas práticas de ser assessor de imprensa ao mesmo tempo jornalista e militante dos partidos políticos.

António Nhaga salienta que, estas situações não dignifica a classe e que os jornalistas guineenses estão a abrir portas para que a Federação Internacional dos Jornalistas e as pessoas que estão fora do país ouvir que um jornalista foi espancado não vão acreditar, porque vão dizer que jornalistas na Guiné-Bissau fazem política.

Realçou que, os jornalistas têm de ser independentes e na sociedade democrática como esta que querem na Guiné-Bissau, o jornalista deve ser uma pessoa do bem e fala a verdade.

ʺUm jornalista não pode dizer que é uma pessoa de bem e estar no partido político e nem pode dizer que está a falar a verdade, porque quando entra num partido tem que alinhar com estatuto do mesmo onde não vai pôr nada contra esse partido.ʺdisse

Nhaga disse que, não há explicação para jornalista inscrever no partido político, sabendo que esta profissão é nobre e não quer a misturo, sustentando que jornalista é como professor na sociedade que deve ter uma conduta exemplar.

Afirmou por outro lado que, maior perigo deste fenómeno é desacreditação da classe jornalística de uma vez por todas, onde ninguém mais vai acreditar no jornalismo guineense.

Considerou que, a solução viável e imediato para resolução deste problema, para além da emissão da carteira profissional era bom que a Direção dos Orgãos de Comunicação Social tenham capacidade de poder identificar e se for necessário convocar uma reunião para advertir todos os jornalistas de que quem for pego com cartão de militância do partido vai ser expulso por justa causa, uma vez que partido e jornalismo são incompatíveis.

Dans la même catégorie