AIB Les agences publiques de presse burkinabè et ivoirienne sollicitent davantage les appuis de leurs Etats AIB Burkina/Orientation des nouveaux bacheliers : Le ministre Maïga conseille de passer par des structures officielles AIB Burkina/Forum africain : L’Afrique invité à gérer son identité numérique (ministre) AIB Côte d’Ivoire : Le président Ouattara se félicite de sa rencontre avec l’ancien président Gbagbo AGP Siguiri/Faits divers : un jeune meurt par suite d’affrontements entre groupes rivaux à Siguirini AGP AFICCON/ Exercice 2021: Validation de 16 projets d’intercommunalité d’un montant de 1301.099 782.461 pour Conakry ANP Tillabéri : L’UE et le PNUD dotent les services techniques régionaux en matériels d’hygiène et de protection contre la Covid-19 ANP Clôture de la session extraordinaire du parlement : Seini Oumarou se félicite de l’affectation de ressources pour améliorer les effectifs des FDS ANG Política/Governo adopta via bancária como única forma de pagamento de salários nas instituições públicas ANG Marcha de funcionários públicos/”Mais de 700 policias não recebem salários”, diz Júlio Mendonça

“Cooperação com a China vai melhorar a capacidade funcional e operacional das Forças Armadas”


  22 Juin      7        Militaire (425),

   

Cidades da Praia, 22 Jun (Inforpress) – As Forças Armadas vão melhorar a sua capacidade funcional e operacional no quadro do cumprimento das suas missões com o “reforço significativo”, brevemente, dos meios de transportes e comunicação, fruto de “especial cooperação” com a China.

A afirmação é da ministra de Estado e da Defesa, Janine Lélis, e foi proferida durante a sua primeira visita, enquanto nova ministra de tutela, às instalações do Estado-Maior das Forças Armadas e à Fundação Social, para se inteirar da melhor organização, funcionamento e realidade da instituição castrense.

Janine Lélis revelou que parte dos materiais já se encontram no País e que uma segunda estará para chegar, tendo reafirmado o engajamento do Governo em “continuar a reforçar o prestígio das Forças Armadas”, enquanto “instituição fundamental” para a consolidação do Estado de direito democrático.

Nesta linha, anunciou que o executivo vai “continuar a trabalhar na modernização e capacitação” das forças de defesa e de segurança, com especial atenção para as Forças Armadas, para além da concretização, ao longo dos próximos cinco anos, de “importantes reformas institucionais”.

A elaboração e implementação de uma lei de programação militar foi anunciada pela governante como um preceito que permite “a necessária planificação”, para que as Forças Armadas possam alcançar os meios e equipamentos, considerados fundamentais para o cumprimento da sua missão.

A revisão do Código de Justiça Militar também foi prometida, com o argumento de que ela já se mostra “necessária e urgente”, assim como a promoção da implementação dos serviços de informação militar, mediante o reforço das bases de instrução militar dos recrutas.

A regulamentação dos Serviços de Saúde Militar e a promoção da valorização das Forças Armadas, enquanto “instituição republicana fundamental” para o Estado de direito democrático, foi avançada como outro desafio desta revisão.

A governante fez questão de “prestar um reconhecimento e um tributo especial pelas acções que as Forças Armadas têm tido, enquanto “entidade importante e de referência no combate à pandemia da covid-19″, ao mesmo tempo que destacou “a visão e a estratégica” da instituição castrense, com “caminhos e percursos delineados” para os próximos anos.

Ainda assim, manifestou preocupação por casos ocorridos na instituição, os quais recentemente “surpreenderam e abalaram a todos” por ferir “os princípios da dignidade humana e tratados internacionais do Direitos Humanos de que Cabo Verde é parte”, pelo que aconselhou que “se acautele e se cuide destes desafios”.

Janine Lélis reforçou que o Governo vem acompanhando “muito de perto” a questão e ressalvou que outros inquéritos internos estão em andamento e que os resultados dos mesmos serão dados a conhecer, no pressuposto e com objectivos, concretizou, de “uma maior transparência e comunicação” com a sociedade civil.

Dans la même catégorie