ANG Desporto/Sport Bissau e Benfica a duas vitórias para sagrar o campeão nacional da Guiness-Liga MAP Sénégal: L’Afrique représente plus de la moitié des urgences sanitaires dans le monde (responsable OMS) ANG Cooperação/”Reino de Marrocos vai continuar a disponibilizar bolsas de estudos para estudantes guineenses”, afirma Carlos Pinto Pereira ANG Cooperação/”China está disposta a apoiar Guiné-Bissau dentro de sua capacidade para alcançar desenvolvimento almejado”, disse Embaixador Renhuo ANGOP La FILDA/2024 va mettre en exergue la production agricole familiale ANGOP L’Angola et la Namibie réfléchissent sur la réduction de la bureaucratie pour des questions de santé ANGOP L’OMS réitère son soutien à la promotion des soins de santé primaires en Angola MAP La MAP et ITALPRESS renforcent leur coopération médiatique MAP Accra : Début de la 45ème session ordinaire du Conseil exécutif de l’UA avec la participation du Maroc MAP Côte d’Ivoire : appel à une intensification de la lutte contre la criminalité forestière

Cooperação/Portugal e Guiné-Bissau elegem formação como fundamental na cooperação futura


  28 Juin      4        Coopération (2475),

 

Bissau, 28 Jun 24 (ANG) – A formação, em particular de docentes de língua portuguesa, será um “elemento fundamental” no próximo Programa Estratégico de Cooperação Portugal-Guiné-Bissau, que começará a ser preparado no próximo ano, anunciou quinta-feira o Governo português.

A relação bilateral e os projetos de cooperação dos dois países estiveram em destaque na visita de três dias do secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Nuno Sampaio, a Bissau, e nos encontros que manteve com as autoridades guineenses.
No balanço da visita, que terminou quinta-feira, o secretário de Estado enfatizou que “um dos grandes desafios” das relações entre os dois Estados é a língua portuguesa e o reforço da cooperação na formação e, em particular, na formação de docentes.

“Há convergência de que a formação vai ser elemento fundamental do reforço dessa cooperação, temos que ver de que forma a podermos intensificar ainda mais”, disse aos jornalistas.

O governante especificou que este aspeto estará em destaque na preparação do próximo ciclo de apoio de Portugal à Guiné-Bissau, que começará a ser trabalhado em 2025.

Em causa está a renovação do Programa Estratégico de Cooperação em vigor desde 2021 e até 2025, com um investimento português de 60 milhões de euros, 85% dos quais “já foram executados”, de acordo com o secretário de Estado.

Os dois países elegem a formação como “elemento fundamental” para o futuro e o secretário de Estado prometeu levar de Bissau para Portugal a questão “para trabalho de casa”, junto com o presidente do Instituto Camões, que o acompanhou nesta visita.

Nuno Sampaio referiu que, na Guiné-Bissau, já “há um trabalho de promoção muito importante” da língua portuguesa, que constatou numa visita à escola Tchico Té, com “uma licenciatura em língua portuguesa, mais de quatro centenas de estudantes a aprender português, um corpo docente de 25 professores” e com a perspetiva de ministrar em breve um mestrado.

“Mas temos que fazer muito mais pela língua portuguesa porque os desafios são enormes”, declarou, considerando que um projeto que pode ser estruturante, e que ainda está em embrião, é a escola portuguesa da Guiné-Bissau.

“Pode ser de facto um projeto âncora, estruturante e dar um contributo muito importante para todo o sistema de ensino da Guiné-Bissau”, afirmou.

O secretário de Estado referiu, ainda, que, “atualmente, Portugal contribui com 2,5 milhões de euros para acolher bolseiros estudantes da Guiné-Bissau”.

Nuno Sampaio salientou que “Portugal é o primeiro cooperante com a Guiné-Bissau em termos bilaterais e a cooperação tem outras dimensões”, além da formação, nomeadamente na saúde e na defesa, que são para continuar.

O governante reiterou que Portugal pode ser a ponte entre a União Europeia e África, especificamente na captação de financiamento por países como a Guiné-Bissau do novo mecanismo Global Gateway, destinado a reduzir a disparidade de investimento a nível mundial.

“Há diversos projetos que podem ser realizados na Guiné-Bissau, mas para isso é muito importante também que naquilo que é o ambiente dos negócios, a segurança jurídica, o quadro fiscal, as infraestruturas, que os portos possam receber e exportar mercadorias, para que se consiga atrair e manter empresas na Guiné-Bissau”, alertou.

O secretário de Estado destacou ainda, nesta visita à Guiné-Bissau, o papel das Organizações Não Governamentais (ONG) portuguesas e de outras nacionalidades que, no terreno, contribuem para a execução da cooperação.

Dans la même catégorie