MAP La sous-secrétaire d’Etat américaine à la Sécurité civile salue le modèle démocratique sénégalais MAP Crise humanitaire au Soudan: Washington annonce une aide de 315 millions de dollars MAP Le Maroc disposé à élargir les domaines de sa coopération avec Madagascar (M. Bourita) MAP Cameroun: un gendarme tué et quatre autres blessés dans une attaque de Boko Haram ANP Le Ministre de l’Agriculture et de l’Elevage s’enquiert de la situation pastorale dans le Nord-Tahoua AGP Guinée : 172199 candidats affrontent les épreuves du Brevet d’Etudes de Premier Cycle AGP GUINÉE/MÉDIA : DEUX COMMISSAIRES DE LA HAC SUSPENDUS POUR FAUTE LOURDE (COMMUNIQUÉ) AGP Guinée/Tribunal Militaire : 10 ans de prison requis contre le Général SadibaKoulibaly AGP Guinée/Collectivité :Les 356 communes rurale et urbaine du pays dotées en équipements informatiques par l’ANAFIC ANG Telecomunicações/Ministro diz que o projeto do Cabo submarino “Amilcar Cabral” vai reforçar a integração da Guiné Bissau ao mundo global

Embaixador em Bissau nega violação dos Direitos Humanos no âmbito da operação « transparência »


  7 Décembre      39        Droits de l'Homme (675),

 

Bissau, 07 Dez 18 (ANG) – O embaixador de Angola na Guiné-Bissau, Daniel António Rosa negou as informações de violação dos direitos humanos no âmbito da « Operação Transparência » levado a cabo pelo governo daquele país na província da Lunda Norte e disse decorrer em legítimo direito de defesa da sua soberania e integridade territorial.

A nota de defesa foi tornada publica em jeito de reacção as informações postas a circular pela imprensa internacional, acusando as autoridades angolanas de violação dos direitos humanos contra cidadãos estrangeiros no decurso da « Operação Transparência ».

O comunicado à imprensa, da Embaixada de Angola na Guiné Bissau, enviada hoje à ANG esclarece que foram deportados para os seus países de origem, em observância as normas internacionais, explicando que, os cidadãos de várias nacionalidades entre os quais congoleses, libaneses, sul-africanos e mauritanianos que se encontravam ilegalmente no território angolano, explorando diamantes e outras pedras preciosas.

« Estas práticas ilícitas lesam o Estado angolano na ordem de milhões de dólares, recursos necessários para implementação de programas sociais para melhoria da qualidade de vida dos cidadãos angolanos », refere o documento.

Por isso, segundo o comunicado, a Angola enquanto Estado soberano, reserva-se ao direito de garantir a inviolabilidade das suas fronteiras, bem como a preservação e uso adequado dos seus recursos naturais, beneficiando, em primeira instancia os seus progressos económico.

O Embaixador da República da Angola na Guiné-Bissau reafirma o seu interesse, em nome do Estado angolano, de estabelecer relações fraternais e de cooperação com todos os países, na base do respeito mútuo.

Dans la même catégorie