ANP Niger : Les biens du Bureau National de la Carte Brune CEDEAO déclarés désormais ‘’insaisissables’’ ANP Le Niger va organiser le 1er Juillet 2021 une table ronde pour le financement de sa nouvelle Stratégie de Finance Inclusive ANP Décès de l’ancien Ministre Mohamed Boucha ce jeudi 24 juin 2021 : Les obsèques officielles prévues ce vendredi 25 juin ANP Inauguration à Niamey de la nouvelle ambassade des États Unis construite à plus de 150 milliards de francs CFA ANP Le Premier Ministre Ouhoumoudou préside la 12ème réunion du comité de pilotage de la mission Eucap Sahel Niger APS ONZE NOUVEAUX MEMBRES FONT LEUR ENTRÉE DANS LE CONSEIL D’ADMINISTRATION DE LA SODAV APS TOURNOI DE DUBAÏ : UNE DÉFAITE QUI OBLIGE LES LIONS À GAGNER LE DERNIER MATCH, SELON LEUR COACH APS TOURNOI U20 UAFA : MALICK DAFF SALUE LA BONNE ENTAME DE SON ÉQUIPE APS USSEIN : LES RECOMMANDATIONS DU CONSEIL ACADÉMIQUE POUR UNE REPRISE DES COURS DANS LES MEILLEURS DÉLAIS APS CÉRÉMONIE DE RESTITUTION DE L’INVENTAIRE SUR LE PATRIMOINE CULTUREL IMMATÉRIEL, MARDI

José Tomaz Veiga lança livro “A ‘Democracia’ Nacional Revolucionária”


  24 Mars      28        Livres (163),

   

Cidade da Praia, 24 Mar (Inforpress) – O autor do livro “A ‘Democracia’ Nacional Revolucionária – O Projecto Totalitário do PAIGC/CV, Cabo Verde 1975-1990”, José Tomáz Veiga, deu terça-feira à estampa a obra que pretende fundamentar a “dita democracia que existia naquele tempo”.
A mensagem foi transmitida terça-feira à comunicação social, pelo próprio autor, à margem da apresentação da obra, que aconteceu na Biblioteca Nacional, na Cidade da Praia.
Conforme explicou o autor, este livro vai ajudar a esclarecer a democracia do período de 1975 a 1990 que tem sido “obsclarecido” e vai dar contributo para ajudar a compreender melhor a realidade daquela época.
“A tese principal do livro é que nesse período vigorou em Cabo Verde um regime totalitário”, afirmou.
José Tomaz Veiga assegurou que naquela época havia cinco elementos que caracterizavam um fenómeno regime totalitário, nomeadamente o partido único, a transformação do partido único em ideologia oficial do Estado, a estatização social da comunicação social, a polícia política e a estatização da economia.
“Do meu ponto de vista não existiu nenhuma democracia naquela época, portanto o meu livro procura fundamentar o que realmente existia, com base no conhecimento, dos ditos e escritos do regime desse tempo”, observou.
Nesta linha, explicou que decidiu escrever este livro, porque encontrou nos manuais escolares algumas informações da época “totalmente falsas”.
“É preciso não denegrir o passado mas também não embelezá-lo, mas sim aceitá-lo exactamente como ele foi, porque é parte da nossa história”, argumentou.
José Tomaz Veiga garantiu que é “pura coincidência” estar a publicar o livro em véspera da campanha eleitoral para as eleições legislativas, esclarecendo que começou a escreve-lo na época da quarentena, devido à covid-19, mais concretamente no mês de Junho de 2020 e terminou no mês de Fevereiro do ano em curso.

Dans la même catégorie