MAP L’ambassadeur de SM le Roi au Caire présente ses lettres de créance au Président égyptien MAP Kenya: huit corps retrouvés dans une décharge à Nairobi (nouveau bilan) APS AG de la FSF : le comité exécutif va proposer la date du 21 septembre (président) ANP Les leaders Arabes d’Agadez et Tahoua reçus par le Président du CNSP APS Acteurs politiques, société civile et universitaires planchent sur l’intégrité du système électoral APS Zone des Niayes : des producteurs listent les défis et proposent des solutions APS Le président Faye aborde les urgences sociales, la fiscalité, l’emploi, ses rapports avec le Premier ministre, etc APS AVC: un neurologue alerte sur les cas d’hospitalisations de sujets de plus en plus jeunes AIP La lutte contre la déforestation devrait s’inscrire dans un cadre de coopération sud-sud (Le président CESEC) MAP Niger : 22 terroristes « neutralisés » par l’armée dans l’ouest

Ministro afirma que estratégia do país é reduzir ao máximo uso de pesticidas químicos


  11 Juin      4        Agriculture (4216),

 

Cidade da Praia, 11 Jun (Inforpress) – O ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, afirmou hoje que a estratégia nacional do país passa por reduzir ao máximo o uso de pesticidas químicos e optar por biopesticidas que são muito mais amigas do ambiente.
O governante falava à imprensa, momentos antes de presidir a abertura do workshop de informação e sensibilização para decisores políticos sobre os compromissos dos Estados no âmbito da harmonização regional das regras que regem a aprovação e gestão de pesticidas no Sahel e na África Ocidental, que decorre na cidade da Praia.
Sublinhou que a estratégia nacional passa pela luta integrada, e pelo uso de biopesticidas, e lá onde não for possível utilizar os pesticidas químicos, mas a opção é utilizar sempre aqueles que provocam menos estragos possíveis à natureza e à saúde humana.
De acordo com o ministro, os pesticidas continuam sendo úteis na agricultura, mas são substâncias muito perigosas e que causam grandes estragos ao meio ambiente e à saúde humana e muitas dessas moléculas têm o efeito permanente muito prolongado na natureza, muitas vezes com a capacidade mutagénica e cancerígena.
Segundo avançou, a particularidade do arquipélago, os seus ecossistemas insulares e uma biocenose específica, exige ainda mais vigilância na implementação das regras que regem a comercialização e o uso de pesticidas e outros agentes de controlo para as doenças das plantas e dos animais.
Neste sentido, disse que é necessário muito cuidado a nível dos países, seja na sua homologação para a autorização para a sua utilização, como também na sua boa utilização, com a existência de controles a nível das fronteiras, a entrada para os países que não a fabricam, mas também para aqueles que a fabricam.
“A gestão dos pesticidas na nossa sociedade e a resolução enfrenta diversos desafios, entre os quais a questão da fraude e da falsificação da receita de referência em si, a insuficiência das capacidades de controle na maioria dos nossos Estados, a ausência de dispositivos permanentes de monitoramento dos efeitos do uso de pesticidas na saúde e no meio ambiente, as lacunas na gestão de pesticidas”, apontou.
Assegurou que neste momento já existe um entendimento a nível regional, entre o Comité Interestadual de Luta contra a Seca no Sahel (CILSS), a União Económica e Monetária Oeste Africana (UEMOA) e a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) no sentido de harmonizar as regras inerentes à gestão e homologação de pesticidas.
Para isso são necessárias reuniões, entendimentos, muita discussão entre as autoridades, técnicos e instituições que se ocupam desta problemática, sendo que é fundamental que falemos a mesma linguagem a nível regional e que tenhamos leis que sejam convergentes”, precisou o ministro que sublinhou que este entendimento deve levar em conta as normas nacionais de cada país.
O workshop centra-se no quadro político para a harmonização e implementação do controlo de conformidade (lei, regulamentos/políticas/directivas, directrizes/protocolos).

Pretende contribuir para o estabelecimento eficaz e o bom funcionamento do Comité da África Ocidental para a Aprovação de Pesticidas (COAHP), bem como dos Comités Nacionais de Gestão de Pesticidas (CNGP), através da informação e da sensibilização dos decisores políticos regionais e nacionais sobre as implicações da implementação do quadro regulamentar regional sobre o registo e gestão de pesticidas.

Dans la même catégorie