APS MALI-AFRIQUE-MUSIQUE/NECROLOGIE / Décès de Toumani Diabaté, illustre joueur de kora (famille) APS SENEGAL-SANTE / Il faut “réorienter la réponse au VIH”, préconise Maguette Ndoye Ndiaye APS SENEGAL-PECHE-EMIGRATION / Aïssatou Mbodj invite les pêcheurs à rester au Sénégal APS SENEGAL-ECONOMIE-EQUIPEMENTS / Fatou Diouf réitère la volonté de l’État de moderniser la pêche artisanale APS SENEGAL-HYDRAULIQUE -GOUVERNANCE / Distribution de l’eau : l’Etat invité à publier le contrat d’affermage signé avec le Groupe Suez ANP Niger: Présentation au Drapeau de 1010 élèves gardes nationaux de la promotion 2023 MAP Sénégal : Mission multisectorielle du Club Afrique Développement AIP Dr Edouard Fonh-Gbéi, l’ingénieur chevronné de la géoinformation (Portrait) MAP RCA: Les besoins humanitaires aggravés par les conflits dans les pays voisins (ONU) AIP Les acteurs de l’industrie planchent sur les enjeux stratégiques de la souveraineté industrielle

Novo presidente do IILP quer Estados-membros mais fortes e activos na promoção da língua portuguesa


  16 Mars      22        Arts & Cultures (3268),

 

Cidade da Praia, 16 Mar (Inforpress) – O novo presidente do Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP) disse hoje que espera mobilizar os Estados-membros para uma participação mais forte e activa para a promoção do interesse comum na utilização da língua portuguesa.

João Laurentino Neves, que falava aos jornalistas à saída de um encontro com o Presidente da Assembleia Nacional para a apresentação dos cumprimentos e discussão das formas de parceria entre as duas instituições, sustentou que também na matéria das línguas a competição é grande para uma afirmação internacional.

“Sabemos que o inglês tem uma preponderância muito grande em todas as áreas de actividade, mas que a língua portuguesa é também hoje reconhecida internacionalmente como uma língua estratégica. Isto decorre do poder que cada um dos nossos países têm de um ponto de vista regional, mas também de um ponto de vista internacional”, argumentou.

João Laurentino Neves salientou que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa é uma organização fortíssima e ímpar, pelo que considera que a língua portuguesa como língua de comunicação internacional tem um caminho a fazer.

“Temos também um trabalho para que ela na ciência, na internet, na comunicação internacional e na aprendizagem e introdução em universidades estrangeiras possa cada vez mais ter uma presença mais activa e também nas rotas do comércio, da diplomacia”, disse
Neste sentido disse que o IILP e os Estados-membros têm de encontrar ideias para criar valor em cada uma dessas áreas e fazer com que a língua portuguesa seja cada vez mais uma língua reconhecida internacionalmente e que a mesma possa ser utilizada sem a necessidade de recorrer às outras.

João Laurentino Neves, que assumiu as funções em Janeiro para um mandato de dois anos, disse que está a reunir-se com os representantes diplomáticos e também com as autoridades de Cabo Verde, que acolhe a sede do Instituto, com vista a elaborar uma agenda e um plano estratégico, que elenque os eixos internacionais e as medidas para os próximos dois anos.

A ideia, conforme indicou, é de que sejam ideias e projectos exequíveis e acrescente valor àquilo que é missão do IILP.

“É importante termos projectos não só projectos de iniciativas do IILP, mas projectos que decorram de parcerias com as comissões nacionais do IILP que cada Estado-membro tem, mas também com agentes e actores como o parlamento cabo-verdiano que são actores importantes naquilo que é a utilização e a difusão da língua portuguesa nos respectivos países e que para nós são parceiros de eleição”, disse.

Para já, do encontro com o Presidente da Assembleia Nacional, Austelino Correia, disse ter encontrado abertura para um trabalho conjunto na área de terminologia própria da actividade parlamentar, no sentido de se ter um documento de referência que qualquer pessoa, de um jornalista a um parlamentar possa ter ali um apoio e uma área de referência.

“Hoje em dia um dos grandes desafios para a língua portuguesa é a questão das terminologias técnicas científicas, ou seja, todas as áreas de actividades que nós desenvolvemos e nas quais utilizamos a língua portuguesa que é a nossa língua”, disse, colocando-se à disposição do parlamento para criar uma base de dados e glossários específicos.

“O Parlamento trabalha com intervenções, com a língua e o entendimento que todos temos de ter dos assuntos que discutimos é maior se a terminologia que utilizamos for consensual, essa foi precisamente uma das áreas que identificamos de possível cooperação com a Assembleia”, acrescentou.

Dans la même catégorie