APS KAFFRINE : UN CANDIDAT AU BAC EXCLU POUR USAGE DU TÉLÉPHONE APS FATOU KINÉ DIAKHATÉ, UN NOUVEAU DÉPART AVEC L’ART-THÉRAPIE GNA Government to install robust systems to stem threats at Ghana’s frontiers GNA Government make strides in road construction GNA Residents of Chorkor sensitized on gender-based violence GNA Three Ghanaians emerged winners in 2021 Women in Agribusiness Awards APS CM2022 : LES REQUINS BLEUS JOUERONT LEUR PREMIER MATCH À MINDELO EN SEPTEMBRE (SÉLECTIONNEUR) APS LA COUR SUPRÊME SE VEUT « TRÈS ATTACHÉE À L’ACCÈS AU DROIT » (PREMIER PRÉSIDENT) APS GCO DIT AVOIR PRODUIT 362. 000 TONNES DE SABLES MINÉRALISÉS AU COURS DU PREMIER SEMESTRE 2021 APS THIÈS : AUTORITÉS ACADÉMIQUES ET ADMINISTRATIVES SATISFAITES DU DÉMARRAGE DU BAC

Óbito/São Vicente: Morreu o artista plástico Alexandre Silva, dono da Galeria Zero Point Art


  31 Décembre      39        Arts & Cultures (1687),

   

Praia, 31 dez (Inforpress) – Morreu esta segunda-feira, no Mindelo, o artista plástico Alexandre Silva Barbosa Andrade (Alex Silva), dono da Galeria Zero Point Art, que fica na rua Unidade Africana, uma das casas de arte e cultura mais conhecidas do Mindelo.
Segundo fonte da Inforpress, Alex Silva estava a jogar basquetebol com os amigos quando se sentiu mal e foi levado ao Hospital Baptista de Sousa, onde viria a falecer.
O artista plástico, que nasceu em Luanda, Angola, era filho de pais cabo-verdianos e chegou a Cabo Verde ainda bebé em 1975, altura da independência nacional.
Cresceu na zona de Alto Mira-Mar e voltou a sair de Cabo Verde para fazer estudos superiores, primeiro biologia marítima, depois arquitectura e em seguida o curso de mestrado em belas artes e crítica na Holanda, este último que ditou a sua vida artística e profissional.
Depois de regressar a São Vicente fundou a Galeria Zero Pont Art como forma de “mostrar e retribuir o seu amor para a ilha”.  Em Novembro, por altura das celebrações do 10º aniversário da galeria, Alex Silva disse à imprensa que esses dez anos têm sido de “resistência”, porque apesar de “não ser um projecto sustentável”, a galeria é projecto concebido “com muito amor”.
Destacou também o facto de a galeria oferecer durante esses dez anos, uma programação “muito selectiva, muito rica”, com partilhas entre músicos e poetas e sessões de spoken words entre outras actividades com o objectivo de “estimular” o pensamento.
Em Novembro promoveu na sua galeria a 2ª edição da extensão do CineEco, o mais antigo festival de cinema ambiental de Portugal, durante a qual apresentou filmes mais adaptados à realidade de Cabo Verde e para a 3ª edição já tinha projectos de trazer filmes ganhadores de prémios daquele festival em parceria com o Cineclube dos Açores.
A sua última exposição “Narrativas Intempestivas”, também fez parte das comemorações da Galeria Zero Pont Art, uma partilha que fez com o público para comemorar os dez anos da galeria e mostrar o seu amor por Cabo Verde.
“Tenho um amor infinito por Cabo verde e tenho vontade em partilhar o meu trabalho sem fazer inaugurações”, finalizou na altura o promotor da Galeria Zero Point Art.

Dans la même catégorie