APS Le partenariat public-privé,  »une alternative au financement des infrastructures » (PM égyptien) APS Mahawa Sémou Diouf installé comme président de la Cour de justice de l’UEMOA MAP Le CPS de l’UA adopte la «Déclaration de Tanger» sur la promotion du lien Paix-Sécurité-Développement et décide de la soumettre au Sommet de l’UA MAP RDC: L’ONU alerte sur la crise de la faim, la « plus grande » en Afrique MAP Afrique du Sud : Dix morts dans deux fusillades au Cap-Oriental ATOP Vo/ Santé : revue annuelle des activités 2022 du district sanitaire ATOP Kozah/ Promotion de l’entreprenariat : les opportunités offertes aux PME par la loi de finances 2023 expliquées aux entrepreneurs de la kara ATOP Visite du Président Faure Gnassingbé au Gabon : des questions bilatérales, régionales, continentales et internationales évoquées APS Hôpital Amath-Dansokho : plus de 10 000 consultations et 700 scanners réalisés en 2022 (directeur) AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Plus de 3000 actes d’insécurité en 2022 dans l’espace des sept pays ayant ratifié l’Initiative d’Accra

Política/Ex. Presidente da República Raimundo Pereira defende uma solução política no “caso Bolom Conté” com o PAIGC


  5 Octobre      10        Politique (21561),

   

Bissau,05 Out.22(ANG) – O antigo Presidente Interino da República, Raimundo Pereira, defendeu que a solução para o diferendo judicial que opõe a direção do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e o militante Bolom Conté deve ser política e não judicial.
Pereira defendeu esta posição na terça-feira, em declarações aos jornalistas depois da entrega de uma carta ao presidente da Comissão organizadora do X congresso do PAIGC, na qual pediu esclarecimentos sobre as razões que dificultam a realização do evento e alertou o partido no concernente ao prazo dado pelo Supremo Tribunal de Justiça para legalizar os órgãos.

Na ocasião, tendo assegurou que o PAIGC é um partido maduro e capaz de resolver os seus problemas internos, por isso não deve ficar à espera de uma decisão do tribunal.

O pretendente candidato à liderança dos libertadores lembrou que tinha deixado a política ativa, mas depois de uma análise com dirigentes daquela formação política decidiu voltar à política ativa, prometendo colocar toda a sua experiência política à disposição do Partido.

“A carta relata a minha inquietação face aos acontecimentos relativamente à realização do congresso. Não se sente a preparação do Congresso como antes se sentia em todo o país. Sentimos falta da promoção do diálogo para ultrapassar os impasses que obstaculizam a realização do congresso” disse, para de seguida, afirmar que unidos não há nenhuma força externa que consegue desestabilizar o partido.

Adiantou que, o PAIGC é o maior partido da Guiné-Bissau e é incontornável no cenário político nacional.

Aos militantes do PAIGC, o ex-chefe de Estado pediu para que não tenham medo do próximo embate político marcado para dezembro deste ano.

“Para nós, a realização do Congresso é o momento de reafirmarmos a nossa política democrática interna, para no final mobilizarmo-nos à volta do vencedor” referiu.

Pereira disse acreditar que o partido conseguirá realizar o seu Congresso e participar nos próximos escrutínios eleitorais

Dans la même catégorie