GNA Ghana resolving EU threats over illegal fishing APS LE PROJET ’’PERMETTRE LA VENTE CROISSANTE DE FOYERS AMÉLIORÉS’’ LANCÉ À KAOLACK APS UN PROJET PROMOUVANT UNE « CUISINE RESPECTUEUSE DU CLIMAT » PRÉSENTÉ À TAMBACOUNDA GNA GOIL’s 52nd AGM slated for June 24 APS COSAFA CUP : LE SÉNÉGAL DANS LA POULE DU ZIMBABWE, DU MOZAMBIQUE ET DE LA NAMIBIE APS VERS UNE RÉFORME AUTORISANT LA DOUBLE NATIONALITÉ EN MAURITANIE APS LES ARTISTES LOCAUX À L’HONNEUR À LA 2E ÉDITION DU SALON « DAKAR MUSIC EXPO » ANP COMMUNIQUE DU CONSEIL DES MINISTRES APS MODE ALTERNATIF DE CUISSON : VERS LA VENTE DE PRÈS DE 800.000 FOYERS AMÉLIORÉS APS LA COSAFA CUP PERMETTRA D’AVOIR ’’UNE COMPÉTITION DANS LES JAMBES’’ (DTN)

Sal: Trabalhadores do Instituto Nacional da Meteorologia e Geofísica marcam nova greve de 48 horas


  10 Février      11        Emploi (291),

   

Espargos, 10 Fev (Inforpress) – Os trabalhadores do Instituto Nacional da Meteorologia e Geofísica (INMG), no Sal, voltam à carga e marcam nova greve de 48 horas para os dias 19 e 20.

Os trabalhadores do INMG tinham avançado para uma primeira greve, prevista para durante dois dias, no dia 28 de Janeiro, contudo a mesma foi suspensa devido à requisição civil decretada pelo Governo.

Entretanto, dando seguimento à luta reivindicativa que vêm travando, há algum tempo, visando “a dignificação da carreira”, conforme a dirigente sindical Maria de Brito, os trabalhadores entregaram um novo pré-aviso de greve, no passado dia 07.

Esta greve para reivindicar o descongelamento de carreiras, a reposição do prémio de produtividade, referente aos anos de 2018 e 2019, melhores condições de trabalho, entre outras reclamações, é a nível nacional devendo afectar todos os serviços, actividades exercidas pelo INMG e categorias profissionais.

“São algumas das reivindicações desses trabalhadores que tudo têm feito, para, através do diálogo e da concertação, virem solucionados seus problemas, mas sem sucessos”, lamentou Maria de Brito, presidente do Sindicato dos Transportes, Comunicações e Administração Pública (SINTCAP), em representação dos mesmos.

Segundo a sindicalista, as várias rondas negociais têm-se redundado “em total fracasso”, com a administração e o Governo a mostrarem-se, conforme analisou, “irredutíveis e intransigentes”.

“Não obstante reconhecerem que a questão de carreiras é prioritária. Insistem em remeter a solução das carreiras, para um novo PCCS, um instrumento que sequer conseguiram apresentar até hoje, uma proposta para análise discussão e implementação”, comentou.

Nesta base, a sindicalista disse que os trabalhadores daquele instituto “são forçados” a partir para uma nova greve, como “única forma” de “fazer valer os seus direitos”.

A greve terá início pelas 07:30, nos dias 19 e 20.

 

Dans la même catégorie