Les étudiants de l’université de Niamey condamnent les attaques meurtrières récurrentes dans le pays AIB Burkina : Le gouvernement et ses partenaires échangent autour de la production agro-sylvo-pastorale AIB Burkina : l’Etat préconise des formations professionnelles privés aboutissant à l’auto-emploi AIB Fada N’Gourma : Plusieurs élèves blessés suite à des échauffourées avec les FDS GNA Australian High Commission supports training of women in dairy processing GNA ACET launches call for SMEs into Business Transformation Programme GNA Murder suspect weeps as he awaits committal proceedings MAP Grand Prix 4* de Gorla Minore en Italie : Le cavalier marocain Abdelkebir Ouaddar se classe 3ème APS ENTRE 500 ET 700 PARTICIPANTS ATTENDUS AU 6E FORUM DE LA FINANCE ISLAMIQUE (ORGANISATEURS) GNA COVID-19: All set for second dose vaccination in Ashanti

São Vicente: Articulação com o sector privado apresentado como um dos maiores entraves do programa Jov@Emprego (c/áudio)


  10 Juillet      8        Businesses (191), Economy (10606),

   

Cidade da Praia, 10 Jul (Inforpress) – A articulação com o sector privado mostra-se como um dos maiores entraves que enfrenta o programa do Governo Jova@Emprego, tal como tinham avançado as antenas nacionais do programa, que estão reunidos no Mindelo desde segunda-feira.
Juntamente com a geografia das ilhas, de comunidades dispersas, e a questão comportamental dos jovens, que precisam ser “mais motivados”, a articulação com o sector privado, conforme a directora do serviço de Formação Profissional da Direcção-Geral do Emprego e Estágios Profissionais, Cláudia Varela, mostra-se como um dos “maiores constrangimentos” do programa governamental Jov@Emprego.
“Temos que melhorar este relacionamento com o sector privado, porque é esta articulação que despoleta mais vagas e mais empregos no seio dos jovens e das mulheres, que são o principal público deste programa”, disse a responsável à Inforpress, adiantando que este III Encontro Nacional das antenas tem por objectivo partilhar os principais resultados atingidos até agora, discutir as actividades em curso e as ferramentas que poderão contribuir para “maior eficácia” do projecto.
A mesma visão tida pelo coordenador deste projecto, dirigido pelo Governo, mas executado por duas agências das Nações Unidas, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o PNUD.
LN/FP

Dans la même catégorie