GNA U-20 Women’s World Cup: Ghana suffer another humiliation to exit tournament  GNA Rana Motors partner GFA to launch Qatar OMBC project GNA Thunderstorm or rain expected over transition and northern sector this evening GNA Ghana to mark World Folklore Day with multi-national summit GNA Renew NHIS cards with mobile renewal service – Dr Okoe Boye GNA Ghana loses more than GHc5.6 billion annually in tax revenue GNA Minister of Food and Agriculture inaugurates Twifo Oil Palm Plantation Board GNA Invest for Jobs launches Green SME Networking Festival in Kumasi GNA GIPC Boss urges private sector to explore partnerships for growth GNA ActionAid sensitises employers, employees on decent work, ILO Conventions

Covid-19: Elida Almeida diz que está “imprevisível” agendar qualquer show


  6 Novembre      30        Arts & Cultures (1779), LeaderShip Feminin (11285),

   

Cidade da Praia, 06 Nov (Inforpress) – A artista cabo-verdiana Elida Almeida revelou à Inforpress que por causa da pandemia do novo coronavírus está cada vez mais “imprevisível” redesenhar os concertos de lançamento do álbum “GerasoNobu”.

Numa altura em que a Europa volta a ser o epicentro da pandemia do novo coronavírus, tendo alguns países optado por voltar a confinar para tentar travar uma segunda vaga da covid-19, vários concertos agendados para 2020 estão a ser reprogramados para 2021.

A palavra de ordem continua a ser “fique em casa”, e como consequência Elida Almeida teve seis show de lançamento a serem adiados ou cancelados.

Inclusive, o concerto de Paris, capital da França, um dos espectáculos mais aguardados pela cantora, que inicialmente estava previsto para Abril, passou para Outubro e agora para Fevereiro de 2021.

Em declarações à Inforpress, Elida Almeida afirmou que a sua agenda continua “imprevisível” e “complicada” porque desenham um plano, mas duas semanas depois tudo muda completamente de figura, por causa dessa pandemia.

“Era um ano muito bonito, era um ano cheio de aventuras e concertos em países diferentes como Japão, Inglaterra, outros países na Europa, e como participamos no ano passado no maior mercado de música do mundo que é Womex, onde o meu ‘showcases’ correu bem, tínhamos muitas expectativas este ano, mas vi todos esses planos fechados na gaveta, juntamente com o disco que  ficou fechado até agora”, disse, lamentando também os concertos que já tinha marcado em diversas ilhas do arquipélago cabo-verdiano.

Enquanto aguarda as decisões de Cabo Verde e da Europa para ver como redesenhar os shows cancelados, Elida Almeida diz que até lá vai adaptar-se aos meios disponíveis, ou seja, fazendo uso das redes sociais e de todas as plataformas digitas para que ‘GerasoNobu’ chegue, o mais perto possível, das pessoas.

Contudo, observou, é “impossível sentir o olhar das pessoas e o calor” através de um ‘live’, mas há que adaptar-se.

O único show de lançamento do álbum “GerasoNobu” que a artista conseguiu fazer, por agora, foi em Philharmonie, no Luxemburgo, no passado dia 15 de Outubro.

Apesar de casa cheia, a menina de Matinho, no interior do concelho de Santa Cruz, que estava meses fora do palco, diz que tinha muita energia para espalhar com o público, mas devido às restrições não teve oportunidade de sentir o calor dos fãs.

“As pessoas gostaram da descoberta que iam fazendo do meu novo trabalho, mas é uma pena porque havia restrições, eles não podiam levantar-se, então tiveram de sentar e ouvir-me a cantar “Mundo ca bu caba” que é um funaná quente, quente, e isso não é lá muito bom”, lamentou.

O terceiro álbum de Elida Almeida “GerasoNobu” vai estar disponível no mercado a partir desta sexta-feira, 06.

Este disco traz 13 temas que convidam as pessoas a reflectirem sobre vários assuntos que estão em dia em Cabo Verde, mas ainda fala um pouco da vida e da intimidade da artista.

Dans la même catégorie