ACI Congo : Plaidoyer pour la réduction échelonnée des importations des produits carnés ACI Congo : Le gouvernement invité à accélérer la validation de la Feuille de route AIP Le conseil municipal adopte le budget 2022 de plus d’un milliard de FCFA de la commune d’Adiaké AIP Lancement de l’évaluation des instituts et centres de recherche de l’enseignement supérieur AIP Plusieurs élèves sensibilisés sur les dangers de l’hypertension artérielle à Abidjan AIP Plusieurs élèves sensibilisés sur les dangers de l’hypertension artérielle à Abidjan AIB Burkina : La corruption a baissé après l’insurrection mais est remontée faute de sanction (Marius Ibriga) AIB Burkina : La corruption a baissé après l’insurrection mais est remontée faute de sanction (Marius Ibriga) AIB Burkina : La corruption a baissé après l’insurrection mais est remontée faute de sanction (Marius Ibriga) APS DES BILLES EN CRISTAL À LA PLACE DES BULLETINS ET ENVELOPPES DE VOTE, UNE ORIGINALITÉ DU SYSTÈME ÉLECTORAL GAMBIEN

São Vicente: Líder sindical desmente ministro sobre discussão de projecto-lei que regula operação e trabalho portuário


  27 Janvier      9        Job (216),

   

Mindelo, 27 Jan (Inforpress) – O secretário permanente do Sindicato da Metalomecânica, Transporte, Turismo e Comunicações (Simetec) disse hoje “não corresponder à verdade” que o diploma sobre o regime jurídico da operação e trabalho portuário tenha sido discutido com os sindicatos.
Em conferência de imprensa, no Mindelo, Tomás de Aquino Delgado referia-se a alegadas afirmações do ministro da Economia Marítima, Paulo Veiga, “na comunicação social”, segundo as quais o Governo deu entrada no parlamento de um projecto-lei sobre alterações ou reformas do regime jurídico da operação e trabalho portuário, bem ainda do regulamento interno do trabalho portuário, e que os referidos diplomas “foram discutidos com os sindicatos”.
“Estas afirmações não correspondem à verdade”, reforçou a mesma fonte, que explicou que, em Janeiro de 2018, a Enapor, gestora dos portos em Cabo Verde, apresentou aos sindicatos os diplomas solicitando o seu parecer e que, em Fevereiro do mesmo ano, seis sindicatos emitiram um parecer conjunto, que enviaram à administração da Enapor.
A mesma fonte prosseguiu que tendo em conta que as propostas apresentadas pela Enapor “alteram substancialmente” a situação laboral dos estivadores e o envio das contrapropostas dos sindicatos, os seis sindicatos ficaram a aguardar o agendamento de encontros de trabalho para discussão e consensualização das propostas, “o que não aconteceu até hoje”, reforçou.
“Portanto, não corresponde à verdade que o projecto-lei foi discutido com os sindicatos representativos dos estivadores”, lançou o líder sindical, que chama a atenção dos deputados já que, precisou, dada a “complexidade e importância” da matéria, os diplomas deveriam ser discutidos “detalhadamente” com os sindicatos antes de serem aprovados em Conselho de Ministros.
Por outro lado, na mesma conferência de imprensa, o secretário permanente do Simetec chamou atenção para o incumprimento de um compromisso saído de um grupo de trabalho, constituído por elementos dos ministérios da Economia Marítima, da Justiça, do Trabalho, da Saúde e Segurança Social, que elaborou “uma proposta concreta” sobre a redução da idade de reforma dos marítimos.
É que, segundo Tomás de Aquino, o mandato do actual Governo aproxima-se do fim, pelo que apela para a tomada de uma decisão no sentido da redução da idade de reforma dos marítimos de 65 para 60 anos, conforme “prometido e assumido” em “vários encontros” com o ministro da Economia Marítima e outras entidades ligadas à matéria.

Dans la même catégorie