Les étudiants de l’université de Niamey condamnent les attaques meurtrières récurrentes dans le pays AIB Burkina : Le gouvernement et ses partenaires échangent autour de la production agro-sylvo-pastorale AIB Burkina : l’Etat préconise des formations professionnelles privés aboutissant à l’auto-emploi AIB Fada N’Gourma : Plusieurs élèves blessés suite à des échauffourées avec les FDS GNA Australian High Commission supports training of women in dairy processing GNA ACET launches call for SMEs into Business Transformation Programme GNA Murder suspect weeps as he awaits committal proceedings MAP Grand Prix 4* de Gorla Minore en Italie : Le cavalier marocain Abdelkebir Ouaddar se classe 3ème APS ENTRE 500 ET 700 PARTICIPANTS ATTENDUS AU 6E FORUM DE LA FINANCE ISLAMIQUE (ORGANISATEURS) GNA COVID-19: All set for second dose vaccination in Ashanti

São Vicente: Líder sindical desmente ministro sobre discussão de projecto-lei que regula operação e trabalho portuário


  27 Janvier      7        Job (216),

   

Mindelo, 27 Jan (Inforpress) – O secretário permanente do Sindicato da Metalomecânica, Transporte, Turismo e Comunicações (Simetec) disse hoje “não corresponder à verdade” que o diploma sobre o regime jurídico da operação e trabalho portuário tenha sido discutido com os sindicatos.
Em conferência de imprensa, no Mindelo, Tomás de Aquino Delgado referia-se a alegadas afirmações do ministro da Economia Marítima, Paulo Veiga, “na comunicação social”, segundo as quais o Governo deu entrada no parlamento de um projecto-lei sobre alterações ou reformas do regime jurídico da operação e trabalho portuário, bem ainda do regulamento interno do trabalho portuário, e que os referidos diplomas “foram discutidos com os sindicatos”.
“Estas afirmações não correspondem à verdade”, reforçou a mesma fonte, que explicou que, em Janeiro de 2018, a Enapor, gestora dos portos em Cabo Verde, apresentou aos sindicatos os diplomas solicitando o seu parecer e que, em Fevereiro do mesmo ano, seis sindicatos emitiram um parecer conjunto, que enviaram à administração da Enapor.
A mesma fonte prosseguiu que tendo em conta que as propostas apresentadas pela Enapor “alteram substancialmente” a situação laboral dos estivadores e o envio das contrapropostas dos sindicatos, os seis sindicatos ficaram a aguardar o agendamento de encontros de trabalho para discussão e consensualização das propostas, “o que não aconteceu até hoje”, reforçou.
“Portanto, não corresponde à verdade que o projecto-lei foi discutido com os sindicatos representativos dos estivadores”, lançou o líder sindical, que chama a atenção dos deputados já que, precisou, dada a “complexidade e importância” da matéria, os diplomas deveriam ser discutidos “detalhadamente” com os sindicatos antes de serem aprovados em Conselho de Ministros.
Por outro lado, na mesma conferência de imprensa, o secretário permanente do Simetec chamou atenção para o incumprimento de um compromisso saído de um grupo de trabalho, constituído por elementos dos ministérios da Economia Marítima, da Justiça, do Trabalho, da Saúde e Segurança Social, que elaborou “uma proposta concreta” sobre a redução da idade de reforma dos marítimos.
É que, segundo Tomás de Aquino, o mandato do actual Governo aproxima-se do fim, pelo que apela para a tomada de uma decisão no sentido da redução da idade de reforma dos marítimos de 65 para 60 anos, conforme “prometido e assumido” em “vários encontros” com o ministro da Economia Marítima e outras entidades ligadas à matéria.

Dans la même catégorie