APS MAME FAMEW CAMARA EXPLIQUE L’IMPORTANCE DE LA PLACE DE LA FEMME DANS SES ŒUVRES GNA Africa should address challenges of Covid-19 – President Akuffo Addo APS SURVIE DE L’ENFANT : UN PLAN DE COMMUNICATION EN COURS D’ÉLABORATION POUR BOOSTER LES INDICATEURS APS MAME FAMEW CAMARA : ’’IL FAUT FAIRE DE LA LECTURE UNE DISTRACTION’’ APS LES TRAVAUX DU PARC DES TECHNOLOGIES NUMÉRIQUES « À UN NIVEAU SATISFAISANT » (COMMUNIQUÉ) GNA Speaker inaugurates Parliamentary Friendship Associations Management Committee GNA COVID-19: Dodowa Health Research Center engages stakeholders on trial of Sputnik Light vaccine GNA More than 65,000 merchants enrolled on the GhQR platform GNA Entrance University Hospital organizes health screening GNA Ghana-Togo Maritime Boundary Negotiations Meeting underway in Accra

IGAE chama atenção para proibição da reutilização de garrafas de cerveja para engarrafar grogue


  11 Mai      6        Society (28148),

   

Cidade da Praia, 11 Mai (Inforpress) – A Inspecção Geral das Actividades Económicas (IGAE) voltou hoje a apelar à sociedade para denunciar toda a prática de recolha de garrafinhas, utilizadas por alguns produtores para colocar aguardente/grogue, pondo em causa a saúde pública.
Em nota divulgada na Internet, a IGAE recorda que a reutilização de “garrafinhas” para engarrafar aguardente/grogue é proibida de acordo com os termos do Decreto Legislativo nº3/2009 de 15 de Junho.
“A proibição do engarrafamento visa não só garantir a qualidade do produto, mas também assegurar a saúde pública, sabido que as referidas «garrafinhas», muitas vezes, são recolhidas em bares e restaurantes”, lê-se.
A IGAE afirma ainda que é necessário ter, também, muito cuidado com os rótulos e as tampas utilizadas nas garrafas, porque há muitas falhas de higienização no processo de engarrafamento.
Segundo a IGAE “o produto é praticamente nocivo para o consumo, devido à conjugação de vários factores negativos e ilegais”.
“As operações de fiscalização e apreensão desses produtos irão continuar visando assegurar não somente a legalidade da produção e a qualidade do grogue, mas também a sua valorização e a garantia da saúde pública”, frisou a mesma fonte.

Dans la même catégorie