GNA Government make strides in road construction GNA Residents of Chorkor sensitized on gender-based violence GNA Three Ghanaians emerged winners in 2021 Women in Agribusiness Awards GNA Ghana expecting over 1.4 doses of COVID vaccines GNA Court fines Hohoe Goil for non-payment of property rates GNA Businessman jailed for pouring acid on his girl friend GNA Violent crimes up by 20 percent from January to June 2021 GNA More than 200, 000 MSMEs benefiting under CAP Buss scheme GNA COVID-19 has exerted seriously on the economy-Finance Minister GNA Government is building robust framework to expand domestic revenue collection

“Neste momento temos um renascer de acreditar na Câmara Municipal da Praia” – Francisco Carvalho


  13 Mai      8        Society (28973),

   

Cidade da Praia, 13 Mai (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal da Praia, Francisco Carvalho, disse quarta-feira que tem se registado neste momento um “renascer de acreditar” na edilidade da capital cabo-verdiana, com as pessoas a recebem tratamento digno por parte da equipa camarária.
Francisco Carvalho fez esta observação na tarde de hoje, na Assembleia Municipal da Praia, que está até o dia 13 deste mês, quinta-feira, nos Paços do Concelho (Plateau), na sua IIª Sessão Ordinária para apreciar e aprovar o Relatório de Actividades e a Conta Gerência de 2020.
“A Câmara Municipal da Praia (CMP) não recebeu ninguém em audiência durante dois anos… foi cancelado. Nesse momento, temos afluência de pessoas aqui. Essa CMP não proíbe nenhum município de entrar pela porta da frente. Todos entram pela porta da frente”, disse.
Francisco Carvalho denunciou que a obrigação que estava instituída na CMP é que a entrada dos munícipes não poderia ser pela porta da frente, “como se houvesse duas categorias de cidadãos no país e na cidade”.
“Acabamos com isso. Qualquer pessoa entra pela porta da frente, não somos mais do que ninguém, somos iguais a todos os que estão nesse município. Nesse momento, temos um renascer de acreditar na CMP. Os empresários dirigem-se à CMP com os seus projectos e acreditam que é possível ser parceiro e fazer as coisas juntas”, frisou.
Nas suas declarações, Francisco Carvalho disse ainda que no nosso primeiro contacto com um empresário, que prefere não citar o nome, quando perguntam pelo orçamento do serviço, o mesmo cobrou quatro mil contos, propondo que mil contos iriam para o bolso de um vereador.
“Refutamos que é um valor alto e ele respondeu que mil contos seriam para um vereador. Eu disse que não… que nessa câmara não há espaço para manobras do tipo. E que, portanto, fica em três mil contos. Essa CMP é transparente e verdadeira”, completou Francisco Carvalho, pedindo aos presentes que tirem ilações do episódio que relatou.

“Neste momento temos um renascer de acreditar na Câmara Municipal da Praia” – Francisco Carvalho


  13 Mai      8        Society (28973),

   

Cidade da Praia, 13 Mai (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal da Praia, Francisco Carvalho, disse quarta-feira que tem se registado neste momento um “renascer de acreditar” na edilidade da capital cabo-verdiana, com as pessoas a recebem tratamento digno por parte da equipa camarária.
Francisco Carvalho fez esta observação na tarde de hoje, na Assembleia Municipal da Praia, que está até o dia 13 deste mês, quinta-feira, nos Paços do Concelho (Plateau), na sua IIª Sessão Ordinária para apreciar e aprovar o Relatório de Actividades e a Conta Gerência de 2020.
“A Câmara Municipal da Praia (CMP) não recebeu ninguém em audiência durante dois anos… foi cancelado. Nesse momento, temos afluência de pessoas aqui. Essa CMP não proíbe nenhum município de entrar pela porta da frente. Todos entram pela porta da frente”, disse.
Francisco Carvalho denunciou que a obrigação que estava instituída na CMP é que a entrada dos munícipes não poderia ser pela porta da frente, “como se houvesse duas categorias de cidadãos no país e na cidade”.
“Acabamos com isso. Qualquer pessoa entra pela porta da frente, não somos mais do que ninguém, somos iguais a todos os que estão nesse município. Nesse momento, temos um renascer de acreditar na CMP. Os empresários dirigem-se à CMP com os seus projectos e acreditam que é possível ser parceiro e fazer as coisas juntas”, frisou.
Nas suas declarações, Francisco Carvalho disse ainda que no nosso primeiro contacto com um empresário, que prefere não citar o nome, quando perguntam pelo orçamento do serviço, o mesmo cobrou quatro mil contos, propondo que mil contos iriam para o bolso de um vereador.
“Refutamos que é um valor alto e ele respondeu que mil contos seriam para um vereador. Eu disse que não… que nessa câmara não há espaço para manobras do tipo. E que, portanto, fica em três mil contos. Essa CMP é transparente e verdadeira”, completou Francisco Carvalho, pedindo aos presentes que tirem ilações do episódio que relatou.

Dans la même catégorie