GNA Covid-19, more people queue to vaccinate in New Juaben North GNA Government cannot renege on its responsibility – Tema East MP GNA Ayorkor Botchwey calls for strengthening of Ghana-São Tomé and Príncipe relation GNA Give financial institutions confidence to lend to private sector– Dalex GNA AfCFTA/China sign MoU on establishing Expert Group on Economic Cooperation APS ATELIER DE RESTITUTION SUR LA RÉFORME DES TEXTES RELATIFS À LA DÉCLARATION DE PATRIMOINE, MARDI APS MOLY KANE REMPORTE LE POULAIN D’OR DE LA 27E ÉDITION DU FESPACO APS MACKY SALL PLAIDE POUR UN FONDS AFRICAIN DE PROMOTION DU CINÉMA APS COVID-19 : UN DÉCÈS ET 2 NOUVEAUX CAS APS CANCER DU COL DE L’UTÉRUS ET DU SEIN : 217 FEMMES DÉPISTÉES À TOUBA

Tóquio’2020: COI atribui “wild-card” ao pugilista David de Pina, Federação de Boxe contesta


  18 Juin      1        Sport (5996),

   

Cidade da Praia, 18 Jun (Inforpress) – O Comité Olímpico Internacional atribuiu o “wild-card” ao pugilista internacional cabo-verdiano David de Pina para os Jogos Olímpicos de Tóquio’2020, mas a federação nacional opõe-se à escolha, por entender que houve ingerência do COC nas atribuições federativas.
Este convite ao atleta de Santa Cruz está a levantar uma polémica no País, com o atleta a acusar o presidente da Federação Cabo-verdiana de Boxe, Flávio Furtado, de estar a criar uma barreira para impedir a sua participação na maior montra mundial do desporto.
Isto porque, Flávio Furtado veio ao público manifestar a sua insatisfação pelo “wild-card” atribuído a David de Pina, por entender que houve interferência do Comité Olímpico Cabo-verdiano (COC) nas atribuições da federação nacional da modalidade, alegando que o atleta não está devidamente preparado para representar o País nesta competição.
Para Flávio Furtado, não houve seguimento ao “ranking” para premiar o mérito.
David de Pina defende em como a federação quer “boicotar” a sua participação no Tóquio’2020, face a “caprichos pessoais”, acrescentando que não deixa que o seu sonho seja destruído.
Opinião colaborada pelo seu treinador, Bernardino Semedo, para quem “Flávio Furtado não tem legitimidade, porque está a trabalhar com “pura maldade” e que está ilegal na federação”.
Bernardino Semedo recordou que o atleta em causa representou Cabo Verde nos Jogos Africanos de 2020 em Dakar, Senegal, onde, disse, foram reconhecidas as suas qualidades.
Já, o chefe da missão do Comité Olímpico Cabo-verdiano, Leonardo Cunha, clarificou que o processo foi liderado pelo Comité Olímpico Internacional, alegando que o convite para a modalidade de boxe é endereçado a um dos atletas masculinos em categorias específicas.
Leonardo Cunha refutou qualquer interferência directa do COC no processo para a selecção de David Pina, afirmando que apenas transmitiu a Federação de Boxe às decisões tomadas pelo COI.

Dans la même catégorie