GNA Fisheries Minister calls on fishers to show interest in aquaculture GNA Former GPL golden boot winner Kwofie confirmed dead in gory accident GNA Ghana’s top stars set to dominate Africa Athletics Championship in Cameroon  GNA Betway launches ‘FlyX Win Boost’ to improve customer experience  GNA GFA President presents MTN FA Cup trophy to management of UG ahead of epic final  GNA Caseware Africa, MAP push for technology use in financial reporting GNA Electrochem Ghana Limited disburses interest-free loans to Ada women GNA Sunyani Area NEDCo to retrieve Gh¢25 million in Revenue Mobilisation Exercise GNA SIAT Group restructure edible oil operations in Ghana and Nigeria MAP AFCON Morocco-2025 to be Held from Dec. 21, 2025 to Jan. 18, 2026 (CAF)

Estilista Djamila Pereira quer conquistar mercado europeu


  3 Août      49        Editor's choice (2853), Fashion (0), Photos (3948),

   

Cidade da Praia, 03 Ago (Inforpress) – A estilista cabo-verdiana Djamila Pereira está a preparar a divulgação, em Portugal, da marca de t-shirts denominada “Africanitas, depois do lançamento oficial no Cabo Verde Fashion Week (CVFW) em 2019, realizado em São Vicente.
Em declarações à Inforpress, Djamila Pereira, que reside há nove anos em Portugal, disse que no momento está a trabalhar na divulgação nas redes sociais, apontando a chegada às passarelas lusas, e estabelecer a marca em  Cabo Verde e Angola como objectivos.
A marca “Africanitas”, que tem como base os padrões africanos e “Pano de Terra”, segundo a estilistas, é fruto das suas “vivências e paragens”, que passaram por Cabo Verde, onde nasceu, Brasil, onde estudou, Angola, onde viveu e Portugal, onde reside há sete anos.
“Estas paragens me deram também inspirações e cores. Mas o pano de terra de Cabo Verde sempre chamou a minha atenção, as cores dos tecidos africanos com os seus padrões lindíssimos, a nossa gente africana com o cabelo natural, em um dado momento, falou mais alto e fez vir ao de cima as Africanitas”, explicou.
“Africanistas”, explicou, são “t-shirts com silhuetas africanas, cabelo afro com uma tiara ou turbantes, sempre usando padrões africanos, adaptadas à preferência dos usuários.
“A criação é o momento mais divertido e intenso, pois, depois de pronta as peças, uso estes padrões africanos para criar destaques, que podem ser um “Africanita” ou “Africanito”, esclareceu a também arquitecta.
As peças, avançou Djamila Pereira, que são feitas à mão, “trabalhadas uma a uma”, podem ser usadas tanto de forma formal, com umas calças em tecido e um “blaser”, como informal, para um passeio.
“Além das t-shirts, estou a trabalhar na moda praia e de ginástica rítmica, onde faço crochê e tecidos de licra com padrões africanos para os confeccionar. Ainda está a dar os primeiros passos, mas já tem confiança no andar”, acrescentou.
“São peças obrigatórias no nosso guarda-roupa, básicas e versáteis. Creio que toda a mulher deveria ser uma Africanita. O meu objectivo é oferecer um produto colorido, criativo e com pormenores, não esquecendo a qualidade”, indicou.
O gosto pela arte, disse que surgiu ainda criança no ciclo preparatório, actual 5° e 6° ano, com os meus professores Sá Nogueira e Edite Ramos, bem como em casa com a mãe, Margarida Moreira.
“É a minha maior fonte de inspiração, ensinou-me muita coisa, deixou-me sempre à vontade para criar”, recordou Djamila Pereira, que é filha do conceituado historiador cabo-verdiano, Daniel Pereira.
Djamila Pereira é formada em Arquitectura pela Pontifica Universidade Católica de Minas Gerais (Brasil) e pós-graduada em Design de Interiores, na Escola Superior de Belas Artes em Lisboa, Portugal.

Dans la même catégorie