AIP Covid-19: La grande Chancelière fait don de kits sanitaires aux populations de Jacqueville AIP COVID-19 : Un enseignant testé positif à Bocanda conduit à Abidjan AIP COVID-19: Un million de masques de protection mis à la disposition des élèves et étudiants AIP Des convois organisés pour le retour des étudiants dans leur université AIP La jeunesse du RHDP du Moronou fait sa rentrée politique GNA Queen mother supports COVID-19 fight with PPE GNA Institute urges US Government to protect citizens GNA Groups express concern over boundary dispute between Mion and Jagbun GNA COVID19: Volta Region case count reaches 75 GNA ‘Let’s not stampede President Akufo-Addo to lift restrictions’

União Africana: Angola cessa mandato no Conselho de Paz e Segurança


  2 Avril      9        Politique (8833),

   

Luanda, 02 de Abril (ANGOP) – Angola terminou na terça-feira (31/3) o seu mandato, de dois anos, como membro do Conselho de Paz e Segurança (CPS) da União Africana (UA), órgão permanente, constituído por 15 países do continente, vocacionado para a prevenção, gestão e resolução de conflitos.
Numa mensagem dirigida ao CPS, o Representante Permanente de Angola junto da UA, embaixador Francisco José da Cruz, agradeceu o apoio e a solidariedade prestados pelos Estados-Membros, durante o seu mandato, numa altura em que, com o Zimbabwe, cede espaço a outros países da região austral, nomeadamente Moçambique e Malawi.

Durante o seu mandato no CPS, a agenda de Angola centrou-se na prevenção, gestão e resolução de conflitos, que, a par da estabilidade, constituem pilares estratégicos da Arquitectura Africana de Paz e Segurança (AAPS), da Arquitectura de Governança Africana (AAG) e da Agenda 2063, nomeadamente o Silenciar das Armas no Continente até 2020.

Angola assumiu a presidência rotativa do CPS, pela primeira vez, em Setembro de 2018, tendo, na altura, organizado uma reunião ministerial, em Nova Iorque, à margem da 73.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, subordinada ao tema “O Estado de Paz e Segurança em África e os Passos dados na Promoção de Soluções Africanas para os Problemas Africanos”.
Em Dezembro de 2019, organizou um segundo encontro, em Luanda (Angola), sob o lema “Reconciliação Nacional, Restauração da Paz, Segurança e Reconstrução da Coesão em África”.

Nos últimos dois anos, Angola teve a oportunidade de participar das discussões sobre a situação na República Centro-Africana, bem como relativas ao processo de harmonização da Força Africana em Estado de Alerta (ASF) com a Capacidade Africana para Repostas Imediatas às crises (CARIC).

Abordou, igualmente, a situação no Burundi e Sudão, os Desenvolvimentos Políticos na Guiné-Bissau e Sudão do Sul, assim como na Somália e as actividades da AMISOM, além de questões como Prevenção de Conflitos, Aviso Prévio e Mediação em África.

No decurso do seu mandato, participou em Missões de Campo no Sudão (Darfur), Sudão do Sul, Somália, Guiné-Bissau, Camarões e Lesotho, organizadas pelo CPS, para constatar, no terreno, a real situação nestes países e o impacto dos conflitos na situação humanitária das populações.

O CPS é constituído por 15 membros eleitos, dez (10) por um período de dois (2) anos e cinco (5) por um de três (3) anos, tendo em conta a representação geográfica das cinco regiões da União Africana (Norte, Austral, Oriental, Central e Ocidental).

Desde 2018, Angola integrou o CPS com Argélia, Burundi, Djibouti, Gabão, Guiné Equatorial, Lesotho, Libéria, Marrocos, Nigéria, Quénia, Ruanda, Serra Leoa, Togo e Zimbabwe.

Dans la même catégorie