AIP Législatives 2021: Les femmes de Lakota appelées à œuvrer pour la paix AIP Les accidents de motos, un problème de santé publique à Taï AIP Boxe thaïlandaise: combat de titan entre Oly « la machine » et Billy Black pour le titre WBC AIP Législatives 2021 : Venance Konan et son équipe présentés aux militants de Daoukro AIP Législatives 2021: Une quarantaine de cartes d’électeur distribuées à Bouaflé AIP La liste « Unité-Réconciliation-Paix » propose un projet de cinq axes pour Koumassi AIP Les paysans de Madinani invités à produire du cajou de qualité AIP Le compte administratif de l’exercice 2020 de la mairie de N’Douci validé AIP La ministre Kaba Nialé demande aux populations de faire attention aux messages des indépendants à Nassian AIP Le Fonds mondial va appuyer le Burkina Faso dans la lutte contre le Sida, la tuberculose et le paludisme

COC enalte importância de Cabo Verde servir de palco para candidatura da CAF


  25 Janvier      21        Société (29229),

   

Cidade da Praia, 25 Jan. (Inforpress) – A presidente do Comité Olímpico Cabo-verdiano, Filomena Fortes, qualificou de “uma grande importância para Cabo Verde” o lançamento de uma candidatura, neste caso senegalesa, à presidência da Confederação Africana de Futebol (CAF), cuja assembleia-geral realiza-se em Marrocos.
Filomena Fortes reagia assim, em declarações à Inforpress, a propósito do lançamento da candidatura do presidente da Federação Senegalesa de Futebol, Augustin Senghor, sexta-feira na cidade da Praia, à margem da assembleia-ordinária da União das Federações Oeste Africana (UFOA).
Fortes considerou que não é todos os dias e que não é por acaso que um país é escolhido para o lançamento de uma concorrida candidatura ao organismo que superintende o futebol africano e alegou mesmo tratar-se de uma questão de respeito por todo o trabalho que a Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF) e o Governo têm feito na organização de eventos desportivos.
Em relação à assembleia-geral da UFOA, realçou que a frase “Cabo Verde está na moda” ajusta-se perfeitamente a esta assembleia-magna, sublinhando que o país demonstrou “agora mesmo” com a selecção do andebol no Mundial do Egipto, apesar dos percalços que fizeram o combinado cabo-verdiano suspender a sua participação.
A assembleia magna da UFOA trouxe à cidade da Praia os presidentes das federações da zona, designadamente Gâmbia, Guiné-Bissau, Guiné Conacri, Libéria, Mali, Mauritânia, Senegal e Serra Leoa, os respectivos secretários-gerais, presidente interino da CAF, Oumari Constant, e o director de Desenvolvimento da FIFA, Verón Mosengo
“Cabo Verde está a trabalhar para não só poder mostrar à África, mas também ao mundo que tem desporto”, referiu.
Já a embaixadora do Senegal em Cabo Verde fez questão de ressaltar que assim como à passagem da selecção do Senegal em Cabo Verde foi determinante para Senegal chegar ao Mundial da Rússia 2018, o arquipélago crioulo terá um papel fulcral para que “este país vizinho e irmão” chegue à liderança da CAF.
Sob o lema “Para um futebol africano mais unido, mais performance e mais atraente”, Augusthin Senghor, 55 anos, advogado de profissão, oficializou a sua candidatura na corrida à presidência da Confederação Africana de Futebol(CAF), cuja assembleia-geral electiva realiza-se a 12 de Março em Rabat (Marrocos).
Para além de Augustin Senghor, a UFOA conta ainda com um outro candidato à presidência da CAF, o mauritaniano Ahmed Yahya.
São quatro candidatos na corrida à cúpula da CAF, pois estão ainda nesta luta o ex-presidente da Federação Marfinense de Futebol, Jacques Anouma, e o presidente da Federação de Futebol da África do Sul, o milionário Patrice Motsepe.
A assembleia-geral do Comité Executivo da CAF está prevista para 12 de Março em Rabat (Marrocos), onde serão renovados os cargos de presidente e de membros do comité executivo desta organização.
O último presidente da CAF eleito, o malgaxe, Ahmad Ahmad, ex-treinador de futebol e antigo secretário de Estado do Desporto e ministro das Pescas de Madagáscar, encontra-se suspenso por cinco anos pela FIFA “por ilícitos financeiros, entre os quais desvio de fundos” razão pela qual não pode concorrer a um segundo mandato consecutivo.
A Comissão de Ética da FIFA aplicou ainda a Ahmad Ahmad, que também é vice-presidente da FIFA, uma multa de 200 mil francos suíços (cerca de 20 mil contos cabo-verdianos).

Dans la même catégorie