AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Le ministre Adjoumani appelle à une agriculture plus respectueuse de l’environnement AIP Côte d’Ivoire-AIP/ La jeunesse de Guibéroua invitée à s’inscrire au programme emplois jeunes AIP Côte d’Ivoire-AIP/ 28 nouveaux cas de COVID-19 et 12 guéris le 03 décembre 2020 (Ministère) ANP Elections législatives : Sur 505 dossiers de candidature déposés pour 171 sièges, 359 retenus et 146 rejetés AGP Mandiana/Environnement : Des dispositions à prendre pour diminuer toute forme d’exploitation de l’or pour éviter la dégradation. GNA 350,000 existing ECG customers to benefit from Pokuase BSP GNA Partner with religious groups to attain immunization targets – MCE GNA Political violence due to family breakdown, high unemployment-Survey GNA Mineworkers’ Union calls for free and fair elections GNA Intensify voter education to reduce spoiled and rejected ballots-CCOD

Covid-19: Primeira-dama apela ao uso obrigatório de máscara reforçando a prevenção contra doença


  21 Octobre      14        Santé (8175),

   

Cidade da Praia, 21 Out (Inforpress) – A Primeira-dama, Lígia Fonseca, apelou hoje ao cumprimento da lei que estabelece a utilização obrigatória de máscaras faciais em espaços públicos, após a promulgação Presidencial, na sequência da sua discussão e aprovação no Parlamento.

Lígia Fonseca, uma das vozes que se insurgiu pela forma como o diploma estaria a ser implementado pelo Governo, sem que passe pelo Parlamento, começou por dizer, em entrevista à Inforpress, que tudo que seja medidas restritivas dessa natureza, com essas imposições, na sua perspectiva devem ser discutidas e percebidos no Parlamento.

“Tudo que sejam decisões desta natureza, que mexem muito com a nossa vida devem ser decididas no Parlamento”, ressaltou a Primeira-dama, completando que uma vez decididas e aprovadas na Assembleia Nacional, e estando em conforme a Constituição, os cidadãos são obrigados a cumprir, porque se cada um fizer o que lhe interessa, ou o que acha correto e melhor, poder-se-á entrar numa certa desordem.

Neste sentido, Lígia Fonseca lançou um apelo ao cumprimento desta lei que, relembrou, está a seguir todo o processo legislativo, consequente, ou seja, ir ao Presidente da República para a promulgação.

“Entendendo o Presidente que deve promulgar, uma vez promulgado e publicado no Boletim Oficial, nós temos de cumprir. Quem não concorda terá de mostrar essa discordância nos meios que a nossa lei e a nossa Constituição põe, de reclamação, inclusive de impugnação dos próprios actos legislativos”, completou.

Ainda nas suas declarações, a Primeira-dama referiu que as leis têm de ser cumpridas, mesmo aquela com as quais alguns não concordem.

“Eu posso não concordar e os outros concordarem e, portanto, é preciso que haja uma autoridade, que foi eleita por todos nós, para tomar essa decisão”, disse.

O Parlamento cabo-verdiano aprovou na semana passada, por unanimidade, a “utilização obrigatória” de máscara para quem circula ou permanece em todos os espaços públicos do arquipélago, para conter a transmissão de Covid-19, prevendo multas até 15 mil escudos.

A proposta de lei foi levada pelo Governo, com caráter de urgência, à sessão parlamentar ordinária que terminou na sexta-feira, 16 de Outubro, na Assembleia Nacional, na Praia, alargando a obrigatoriedade do uso de máscara facial — que já se aplicava desde Maio nos transportes públicos e no interior das empresas — a todos os espaços públicos, incluindo na via pública, independentemente do tipo de atividade.

O diploma legal foi aprovado na generalidade e na globalidade, por unanimidade, após consensualização entre o governo e os deputados.

Ficam de fora desta obrigação os menores de 10 anos e pessoas com problemas de saúde, aplicando-se a mesma em todo o território nacional, a pessoas em situação de contacto próximo na via pública que não partilhem a mesma residência, embora com exceções também para a prática de educação física com distanciamento social e prática de etiqueta respiratória.

Este regime, que entrará em vigor no sétimo dia seguinte à publicação em Boletim Oficial, vai substituir ainda o que estava em vigor desde 02 de Setembro, cujo decreto-lei estipulava o uso de máscara facial nos espaços públicos como um “dever cívico de todos os cidadãos” e que “a atuação das forças e serviços de segurança” teria apenas “caráter pedagógico e orientador”.

Ao apresentar o texto final da proposta, após as alterações ao documento inicial do Governo, o ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, apontou que a violação desta regra implicará um processo contraordenacional com uma multa de 1.500 a 15.000 escudos e o produto das coimas consignado ao combate e prevenção à Covid-19.

Dans la même catégorie