MAP Sahara marocain: le SG de l’ONU réaffirme la centralité du processus politique onusien APS COVID-19 : DEUX DÉCÈS ET 163 NOUVELLES INFECTIONS ANP Tahoua : L’INS sensibilise les opérateurs économiques de la région sur le recensement général des entreprises (ReGEN 2022) AIP Un opérateur minier fait don d’un bâtiment de trois classes à l’EPP Yao-Amoinkro AIP 2,6 milliards de personnes affectées à travers le monde par des repas cuits aux combustibles polluants (OMS) APS DANS LA RÉGION DE DIOURBEL, 189 LISTES PRENNENT PART AUX ÉLECTIONS LOCALES APS A KAOLACK, L’ADMINISTRATION EST FIN PRÊTE POUR L’ORGANISATION DU VOTE (GOUVERNEUR) APS A FOUNDIOUGNE, 71 % DES CARTES D’ÉLECTEUR ONT ÉTÉ DISTRIBUÉES (PRÉFET) APS MBOUR : 329.513 ÉLECTEURS INSCRITS APS TAMBACOUNDA : 264.759 ÉLECTEURS ATTENDUS AUX URNES

Covid-19: Produção cinematográfica em Cabo Verde nos próximos anos será mais difícil – ACACV


  27 Octobre      25        Cinéma (221),

   

Cidade da Praia, 27 Out (Inforpress) – O presidente da Associação de Cinema e Audiovisual de Cabo Verde (ACACV) considerou hoje que o cinema conhecerá anos difíceis, nos próximos três ou quatro anos, devido à situação da pandemia que obrigou a transferência de alguns fundos.
Mário Benvindo Cabral fez esta apreciação aos jornalistas, no âmbito de uma conferência de imprensa para dar a conhecer o plano de actividade para comemorar o Dia Mundial do Cinema, que se assinala no dia 05 de Novembro, com cinco sessões virtuais para debater a questão do cinema em tempos de pandemia.
Segundo este responsável, a pandemia ainda não teve um “impacto grande” no cinema em Cabo Verde, assim como no sector musical que estagnou todas as actividades levando à perda de receitas, mas no futuro, prognosticou, a situação irá agravar-se.
“O cinema em Cabo Verde nos próximos três ou quatro anos vai ser condicionado, porque na verdade o Estado está a preparar toda a questão dos fundos para resolver o problema da pandemia. Então, nesse sentido sendo a cultura o elo mais fraco, de toda a cadeia de valor, e o cinema com a fraca expressividade no País, os fundos vão ser menores”, perspectivou.
A produção cinematográfica no País, sublinhou, “é difícil”, mas no futuro afigura-se ainda mais complicado, por isso é necessário procurarem outras formas de financiamento, através de fundos internacionais.
Através deste webinar, que contará com a participação de profissionais do sector de Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Açores, Canárias, Madeira, Brasil, Cuba e Estados Unidos, Mário Benvindo espera contar com a experiência de outras entidades nesta matéria.
“O caminho é esse e nós não podemos ficar à espera só dos fundos nacionais, temos que ir à procura de outros fundos. Sabemos que a pandemia também condicionou a economia mundial e outros países também vivem esse problema de falta de fundo por causa da pandemia, mas temos que apelar à solidariedade”, disse.
Questionado sobre os projectos de produção que foram cancelados, informou que “grandes produções” internacionais estavam organizadas para serem rodadas em Cabo Verde, mas não foi possível por causa da pandemia e por causa do financiamento.
Contudo, sublinhou, nesta retoma pós covid-19 é preciso criar um plano de retoma gradual da situação e dos apoios para que o impacto seja menor.
Apesar das dificuldades encontradas pela ACACV, Mário Benvindo assegurou que conseguiram dar continuidade a alguns editais, nomeadamente o II edital de apoio à produção nacional e ao concurso de produção de filmes, curta metragem “Nossos Símbolos, Educação pela Cidadania”.

Dans la même catégorie