GNA Vodafone Foundation donates PPE to Accra Regional Hospital GNA Koforidua Regional hospital offers free cataract surgery GNA NPP’s side constitutes the Majority in Parliament-Speaker Bagbin APS COVID-19 : SUSPENSION DES VISITES AUX DÉTENUS À PARTIR DE LUNDI APS KAOLACK : LES AUTORITÉS SANS NOUVELLES DE 33 PERSONNES POSITIVES À LA COVID-19 APS BAISSE DES INDICATEURS LIÉS AUX ACCIDENTS DE LA CIRCULATION À FATICK (SAPEURS-POMPIERS) AIP International/ Mastercard Global Outlook 2021 souligne la transition permanente vers le numérique (Rapport) AIP Un nouveau DGA au DC/BR de l’UEMOA AIP Législatives 2021: Le RHDP peine à désigner un candidat à Grabo AIP Inter/ Le SG de l’ONU nomme la Guinéenne Bintou Kéita à la tête de sa mission en RDC

CPLP: Covid-19 leva à introdução de novos modelos na cooperação e privilegia mais o multilateralismo – Jorge Santos


  15 Décembre      15        Politique (14211),

   

Cidade da Praia, 15 Dez (Inforpress) – O presidente da Assembleia Parlamentar da CPLP afirmou hoje que o impacto da covid-19 implica a introdução de novos modelos na cooperação e privilegia mais o multilateralismo, a acção conjunta e a solidariedade entre todos os estados-membros.
Jorge Santos fez esta apreciação na abertura da reunião “virtual” extraordinária da Assembleia da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), presidida a partir de Cabo Verde, tendo na agenda a covid-19 e o funcionamento dos parlamentos nacionais, a instalação e funcionamento do Secretariado Permanente da AP-CPLP, entre outros assuntos.
Para o presidente da Assembleia Parlamentar da CPLP, embora em dimensões diferenciadas, a covid-19 afectou todos os estados-membros e está a ter uma repercussão na situação sanitária e economia de todos.
Por causa desta pandemia, sublinhou, o funcionamento das instituições teve de “mudar para se adaptar e os parâmetros para a arbitragem na utilização dos recursos disponíveis também tiveram de ser redefinidos”.
“Isto implica que tínhamos de introduzir novos modelos na nossa cooperação e privilegiar mais o multilateralismo, a acção conjunta e solidariedade e a conjunção de esforços, que aliás nos caracteriza”, advogou.
Para além de constrangimentos, defendeu que a pandemia trouxe “novos desafios e novas oportunidades”, com mudanças que poderão ter “impacto positivo” na vida comunitária.
Por outro lado, frisou, põem a nu a necessidade de “reforço cada vez maior dos laços que unem e da identidade da comunidade”.
Para Jorge Santos, esta situação impõe a todos os estados-membros a “obrigação” de olharem para o espaço como um todo e “exige maior solidariedade” entre os estados e com o mundo.
O presidente do parlamento cabo-verdiano fez referência, no seu discurso, à situação sanitária do País e o impacto da pandemia no sector do turismo, na agricultura, na cultura, nos transporte e serviços e na indústria do entretenimento.
A nível parlamentar, informou que o parlamento cabo-verdiano teve de se adaptar, tornando-se parcialmente, hoje, um parlamento digital.
“Resistimos bem e hoje temos as condições mínimas para manter a assembleia a funcionar numa nova normalidade, onde impera as tecnologias de comunicação e informação. A vossa presença nesta assembleia parlamentar é sinal de que esforços similares, ao de Cabo Verde, também estão a ser feitos nos vossos países”, considerou.
O advento da covid-19, a seu ver, obriga-os a mudanças profundas nas suas formas de” ser e de fazer”.
Mudanças essas que, prosseguiu, vão desafiar a capacidade de adaptação e a necessidade de continuarem a construir, conjuntamente os seus futuros.
Nesta reunião extraordinária foram discutidos o reforço institucional da Assembleia Parlamentar, especialmente a questão da instalação do secretariado permanente que será instalado em Angola(Luanda), e a formalização da rede dos jovens parlamentares da CPLP.
“Continuaremos a contribuir para a concretização do importante projecto de mobilidade na CPLP, que se encontra na sua fase final de aprovação”, frisou.
Os parlamentares da CPLP manifestaram ainda as suas solidariedades para com Moçambique, que atravessa momentos de “alguma dificuldade na gestão da sua segurança interna e dos seus efeitos na população residente nas áreas afectadas pelo conflito”.

Dans la même catégorie