GNA More than 5, 800 centres open for EC’s exhibition exercise in Ashanti Region GNA Voters commend EC for SMS verification platform GNA Veep supports Strategic National Stockpile establishment to tackle health emergencies GNA Government urged to develop a comprehensive cervical cancer control plan GNA Voter Register Exhibition begins smoothly but on low key GNA Peace Council to hold 2020 national youth for peace summit GNA Odweanoma Paragliding site to be commissioned during ‘Yenko Kwahu’ Festival GNA Ghana is making moderate progress in nine SDGs APS INONDATIONS : 271 FAMILLES SINISTRÉES RECASÉES SUR UN SITE DE KEUR MASSAR APS PLAN ORSEC : UNE LARGE PART SERA RÉSERVÉE À DIOURBEL, PROMET ALY NGOUILLE NDIAYE

Governo promete atender as reivindicações dos sindicatos


  4 Août      14        Politique (11187),

   

Bissau – O ministro da Presidência do Conselho de Ministros, Assuntos Parlamentares e porta-voz do Governo prometeu que o executivo liderado pelo Nuno Nabian tudo fará para atender, na medida das suas possibilidades, as reivindicações dos sindicatos, e avisa que não será fácil uma vez que os problemas são vastos.

“Foram 46 anos de maus hábitos, não é um dia, num mês ou num ano que um Governo consiga resolver os problemas de toda a administração pública do país, mas é preciso sim que as Centrais Sindicais continuem a exigir , acompanhar e serem parceiros do executivo na solução destes problemas”, disse Jaquité ao intervir na cerimónia alusiva as comemorações dos 61 anos do massacre dos marinheiros do cais de Pindjiguiti, realizada segunda-feira,em Bissau.

O governante afirmou que pretende com isso expressar a firme determinação em tudo fazer para que a vida dos trabalhadores ligados ao mar e outros servidores públicos seja melhorada.

Jaquité frisou que o Governo não vé o pagamento de salários como um objectivo final, pois é apenas a obrigação do executivo, salientando que vão fazer tudo para continuar a cumprir essa missão à tempo e hora, uma vez que a conjuntura actual assim o exige.

Pediu a comprensão dos sindicatos e que tenham em consideração os problemas que o Governo enfrenta nomeadamente as mudanças climáticas e a crise sanitária causada pelo coronavírus que, segundo ele, podem provocar muito mais sofrimento do que já se viveu.

Falndo do acto comemorado, afirmou que o massacre de Pindjiguiti ocorrido à 3 de Agosto de 1959 deve servir aos governantes guineenses de exemplo para uma boa prática de Governação e procura incessante da satisfação dos desejos e ambição de uma vida cada vez melhor dos filhos da Guiné-Bissau.

Mamadu Serifo Jaquité que falava em representação do chefe de Governo

disse que a boa Governação exige de todos a ética, rigor, a verdade, responsabilidade, coerência e o compromisso de todos para juntos lutar para uma Guiné-Bissau melhor, renunciando a corrupção, demagogia, manipulação, mentira e ao nepotismo, e colocar os interesses do país acima dos partidários e pessoais.

O governante exaltou o papel dos mártires de Pindjiquiti na independência nacional e desenvolvimento da Guiné e Cabo-Verde, mas lamentou o abandono à que os sobreviventes foram relegados .

Por seu turno, a ministra da Função Pública destacou que completou segunda-feira 61 anos desde aquele violento acontecimento que marcou a história da Guiné-Bissau como um Povo heróico, salientando que a luta pela emancipação do Povo guineense para uma vida condigna sem exploração e opressão por um salário digno merecido começou exactamente através do movimento dos marinheiros e operários do porto de Pindjiquiti .

Para Maria Celina Tavares, as reivindicações dos marinheiros eram mais do que justa, mas a respostas da então administração colonial foi tudo menos consentânea, uma vez que, no lugar de diálogo, a tropa colonial preferiu utilizar a força com balas reais para assassinar aqueles que ousaram dizer “basta ao salário de miséria e a exploração” .

“Esse massacre foi o despertar da consciência do Povo da Guiné-Bissau sobre a imperatividade de ter que lutar, por todos os meios possíveis, na época, para assumir o seu destino. Assim foi e continua a ser até os dias de hoje”, sublinhou.

Tavares salientou que a dignificação do trabalhador guineense, ainda está a quem do desejável e que é nesta perspectiva que o Ministério que dirige está empenhado em prosseguir e executar, fielmente, o Programa do Governo e a adenda assinado com as Centrais Sindicais, de forma a dar melhores condições de vida e aos trabalhadores da administração pública da Guiné-Bissau.

O Secretário-geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné(UNTG), Júlio Mendonça presente na cerimónia advertiu ao Governo de que a paciência das Centrais Sindicais já está no limite e que não haverá mais espaço à violação do princípio da legalidade e que todos são obrigados a mudar o paradigma da Governação do país.

Frisou que já não há tempo a perder e se querem a estabilidade governativa devem respeitar as leis, combater a corrupção em diversos níveis e pagarem as dívidas do Estado, não importa a denominação de interna ou externa.

Para Malam Li , líder da Confederação-Geral dos Sindicatos Independentes da Guiné-Bissau (CGSI-GB), um Estado que não dispõe de trabalhadores com moral altamente motivada, é um Estado vazio.

Li exige, entre outras, o pagamento das dívidas salariais em atraso aos jornalistas contratados e técnicos da comunicação social dos órgãos públicos referentes aos meses de Abril á dezembro de 2019 e de Janeiro a Julho do ano em curso.

Pediu ainda a anulação dos recrutamento do pessoal levado a cabo nas diferentes instituições do Estado sem concurso público, nomeadamente no Ministério de interior, dos Transportes e outros.

António Gomes, um dos sobreviventes do Massacre de Pindjiquiti queixou-se de que estão abandonados à sua sorte, uma vez que só são lembrados no dia 3 de Agosto, depois disso voltam ao esquecimento.

, Gomes acrescentou que, para eles , trata-se de um dia de desgosto porque os 57 marinheiros que foram mortos não cometeram qualquer crime.

Dans la même catégorie