APS MACKY SALL GRACIE 551 PRISONNIERS À L’OCCASION DE LA KORITÉ AIP Un incendie ravage des magasins au marché central de Bonoua AIP Bédié regagne Daoukro après un an d’absence GNA Two jailed 26 years over attempted robbery GNA Care International and Mars Incorporated to empower women cocoa farmers ANP Le Gouvernement nigérien adopte sa Déclaration de Politique Générale GNA Gyamfi’s double powers Kotoko past Ebusua Dwarfs INFORPRESS Le président de la FCF défend que toutes les institutions sportives soient auditées INFORPRESS L’association syndicale de la PJ garantit qu’il y a un «sentiment d’unité» et que la classe «se sent très respectée» INFORPRESS Handball: New women’s handball coach wants Cape Verde to make history at CAN

Só o diálogo e a concertação serão capazes de garantir que Cabo Verde possa vencer a crise – Janira Hopffer Almada


  28 Octobre      20        Economie (11897),

   

Cidade da Praia, 28 Out (Inforpress) – A líder do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV – oposição) defendeu hoje que só o diálogo e a concertação serão capazes de garantir que Cabo Verde vença a crise provocada pela pandemia da covid-19.
Janira Hopffer Almada falava na abertura da segunda sessão deste mês de Outubro em que o Governo vai ao parlamento debater respostas sanitárias e económicas no contexto da pandemia.
“Para o PAICV este é o momento em que todos devem se libertar de tacticismo políticos para nos concentrarmos nos interesses de Cabo Verde que clama de todos os seus filhos, o juntar de esforços para se encontrar os melhores caminhos que nos conduzem a uma vitória sobre os grandes obstáculos que a crise nos está a impor”, afirmou a líder do maior partido da oposição.
Para Janira Hopffer Almada, é “cada vez mais evidente” que o País está mergulhado numa “profunda crise”, que exige uma nova abordagem, novas atitudes e novos entendimentos entre as forças políticas e, se calhar, novas alianças com sociedades, estribadas num diálogo aberto, verdadeiro e profundo.
“O PAICV cedo entendeu isso e, por esta razão, assumiu uma postura de compreensão e de não confrontação política na fase de emergência sanitária, de anormalidade económica e de desestruturação das bases que suportam a sustentabilidade social e familiar. E essa disponibilidade do PAICV em colaborar traduziu em acções e proposta e foi igualmente demonstrada pelo apoio inequívoco às medidas que foram trazidas a este parlamento para fazer face à crise”, prosseguiu.
Janira Hopffer Almada acrescentou ainda que o seu partido entendeu que o momento de declaração do estado de emergência não se deveria fazer o confronto. Por isso mesmo, completou, se absteve de criticar algumas acções que entendeu que não eram as melhores, durante este período.
“Por isso mesmo, evitamos apontar o dedo, mesmo quando havia claramente falhas que demandam uma análise mais cuidada e introdução de medidas correctivas. Adoptamos esta via e optamos por essa postura, pela responsabilidade que um partido com percurso e a visão do PAICV deve ter em todos os momentos, máxime nos momentos de maiores dificuldades da Nação”, frisou.
O PAICV, disse a sua presidente, acreditou que as medidas anunciadas pelo Governo para fazer face à pandemia “eram boas na intenção”, mas, retorquiu, estas para ter impacto na vida das pessoas e das empresas e no País “devem ser materializadas com eficácia e com eficiência, o que implica a sua aplicação em tempo oportuno”.
“Uma série de medidas foram anunciadas e aprovadas, umas de natureza sanitária, outras de natureza social, outras de natureza económica e outras ainda de natureza legal e de administração da justiça. Essa aprovação foi um importante passo, mas tão importante como o seu anúncio e a sua aprovação, deveria ter sido a sua rigorosa implementação e o seu eficaz segmento”, defendeu.
Janira Hopffer Almada disse também que, desde a primeira hora, todos assumiram que o primeiro e o principal objectivo durante a pandemia era salvar vidas, para depois salvar as empresas, no pressuposto de salvar os empregos e assim conseguirmos salvar o país e que, por isso, “esta situação exigia e exige que estas medidas fossem e sejam tomadas quase em simultâneo, pois o tempo tinha passado e passou a contar muito mais rapidamente”.
Hoje, entende a líder do PAICV que é preciso reflectir com realismo sobre a situação e analisar os impactos dessas medidas de forma objectiva e desapaixonada.
“É urgente analisar com verdade e profundidade o que está bem para reforçar e o que não está bem para corrigir. É evidente que, enquanto País, temos de inverter a tendência de surgimento de novos casos e conseguir, simultaneamente, reduzir o número de mortos. Até porque, comparativamente a outros países africanos ou país da União Europeia ou até estados insulares como Cabo Verde, somos obrigados a querer fazer mais e melhor, revelando-se urgente que as medidas para o combate à pandemia sejam mais efectivas, mais eficientes e mais eficazes”, advogou.
Apesar das medidas anunciadas para a Saúde, para fazer face à pandemia em Cabo Verde, entende Janira Almada que Cabo Verde “não está a conseguir provocar o abaixamento, nem de número de casos, nem de número de mortes que, infelizmente, já duplicou”.
“É preciso analisar por que razão Cabo Verde não está a conseguir reduzir o número de casos para podermos adoptar as medidas correctivas e invertermos essa realidade”, defendeu.
Para o PAICV, diz a sua líder, é chegada a hora de estabelecer de “forma clara” as prioridades e no sentido de controlar a pandemia, recuperar Cabo Verde e cuidar do futuro do País.

Dans la même catégorie