APS THIÉNABA : DES ’’ÉTUDES SONT EN COURS’’ POUR L’ÉLECTRIFICATION DU VILLAGE DE THIOTY (DG SENELEC) AIP Communiqué du Ministère de la Santé et de l’Hygiène Publique « Point de la situation de la COVID-19 au 23/10/2020 » AIP Côte d’Ivoire-AIP/Présidentielle 2020 : L’UE appelle les acteurs politiques ivoiriens à accélérer le dialogue MAP Guinée/présidentielle : 5 morts dans des violences post-électorales AGP Gabon: Reprise progressive des activités de la Société des bois de Lastourville ANP Niger : Les nouveaux membres du Comité Scientifique du CNRA se présentent au Premier Ministre ANP DIFFA : Cérémonie de présentation de semences améliorées produites par l’ONG WHH AGP Gabon : Evolution de la crise sanitaire, Task force et actualité international au menu du point de presse du Porte-parole de la Présidence APS DEUX PIROGUES DE MIGRANTS CLANDESTINS INTERCEPTÉES CE VENDREDI, AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Le CEECI et plusieurs organisations estudiantines rendent hommage à Alassane Ouattara à l’UAO de Bouaké

Reivindicação de uma nova grelha salarial para os vigilantes privados é justa – sindicato


  22 Septembre      5        Economie (10053),

   

Cidade da Praia, 22 Set (Inforpress) – O presidente do SINTSEL, Manuel Barros, defendeu segunda-feira que a reivindicação de uma nova grelha salarial para os vigilantes privados é justa, apontando que o acordo feito com o Governo em 2017 deve ser respeitado.
Manuel Barros fez esta declaração à Inforpress, à margem de uma manifestação promovida pelo Sindicato Nacional dos Agentes de Segurança Pública e Privada, Serviços, Agricultura, Comércio e Pesca (SINTSEL), que aconteceu na Cidade da Praia.
Conforme disse, a reivindicação é justa, pois querem que haja consenso sobre o Preço Indicativo de Referência (PIR) e a implementação da grelha salarial, num acordo firmado em 2017 para vigorar em 2018 que “não foi possível”.
“Ainda assim, prometeram que esta grelha iria entrar em vigor no mês de Janeiro deste ano e novamente não foi cumprido”, explicou.
Instado sobre a possibilidade de suspensão da greve, anunciada para os dias 21 a 23, avançou que tudo “está aberto à negociações”, entretanto, prosseguiu, enquanto não houver uma “resposta positiva” do Governo e da Associação Nacional das Empresas de Segurança Privada (ANESP), a greve continua.
“Queremos mostrar a nossa insatisfação, é o Governo que regula o sector e o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, esteve envolvido nesse acordo, portanto, tem de dar uma resposta às empresas para que os vigilantes possam ter o que exigem”, ressaltou.
Por fim, o sindicalista considerou que a manifestação teve boa adesão dos trabalhadores, resultado do esforço feito pelo sindicato para mobilizar os vigilantes.
Manuel Barros informou ainda que a greve terá abrangência nacional.

Dans la même catégorie