GNA Validation workshop on the updated child marriage toolkit opens in Kumasi GNA Hogbetsotso-Za 2020 postponed due to the Covid-19 Pandemic GNA President inspects works on COVID-19 treatment Centre GNA John Mahama is a man of his word” — Prof. Opoku-Agyemang GNA Exemplary Leadership must be reincarnated – Former Lecturer GNA CAGD launches “treasury hour” to enhance staff professionalism GNA Minority Leader inaugurates CHPS Compound at Kakpagyili GNA Journalists urged to intensify reportage on cocoa sector Inforpress Inpharma doa cinco toneladas de solução de desinfectantes ao Governo de Cabo Verde Inforpress José Pedro D´Oliveira elege reforço das relações culturais e trocas comerciais como prioridade da sua missão no Brasil

Extradição de Alex Saab: Defesa vai recorrer da decisão do Tribunal de Relação de Barlavento


  4 Août      7        Justice (867),

   

Mindelo, 04 Ago (Inforpress) – O advogado do cidadão venezuelano Alex Saab confirmou que vão recorrer da decisão do Tribunal de Relação de Barlavento de o extrair o venezuelano para os Estados Unidos de América, a fim de ser julgado nesse país.
“Fomos notificados da decisão do tribunal ontem (segunda-feira) e temos um prazo de dez dias para entregar o recurso e vamos fazê-lo dentro do tempo”, salientou João do Rosário à inforpress.
Segundo a mesma fonte, a decisão do Tribunal da Relação de Barlavento “não agradou” à defesa, uma vez que “não há crime e nem motivo para a extradição”.
Os três juízes do Tribunal de Relação do Barlavento, em acórdão de 31 de Julho, decidiram pela extradição do cidadão venezuelano Alex Saab Nain Moran para os Estados Unidos de América, a fim de ser julgado nesse país.
Segundo o acórdão a que a Inforpress teve acesso, nos EUA aquele cidadão venezuelano, natural da Colômbia, vai ser julgado por oito crimes, sendo um de “conspiração para cometer lavagem de dinheiro” e sete de “lavagem de instrumentos monetários” referenciados no despacho da acusação dos autos e no pedido formulado pelo Ministério Público.
O Governo da Venezuela, num comunicado divulgado, considerou “arbitrária” e uma “violação do direito e das normas internacionais a detenção do empresário (de nacionalidade colombiana e venezuelana), pelas autoridades policiais cabo-verdianas, na ilha do Sal, “, tal como as “acções de agressão e cerco contra o povo venezuelano, empreendidas pelo Governo dos Estados Unidos da América (EUA)”.
Por seu turno, a ministra da Justiça cabo-verdiana afirmou que a decisão sobre o pedido de extradição do empresário Alex Saab foi baseada num parecer do Ministério Público e que o Governo “não se intromete”.
“Cabo Verde tem um dever de cooperar. Esse dever de cooperação é mais forte tratando-se de matérias ligadas a crimes relacionados com tráfico de droga e com lavagem de capital. Nós respondemos a um pedido de colaboração internacional e a partir daí o processo segue a sua tramitação judicial”, afirmou a ministra da Justiça, Janine Lélis.
Alex Saab Morán, dedito em Cabo Verde no passado dia 12 de Junho, é acusado pelos EUA de negócios corruptos com o Governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.
O empresário foi detido quando o seu avião fez uma paragem para reabastecimento no aeroporto do Sal, num voo de regresso ao Irão, após uma viagem à Venezuela.
O empresário é considerado pelas autoridades norte-americanas como testa-de-ferro de Nicolás Maduro, embora essa descrição não apareça em nenhum processo judicial e o Presidente venezuelano nunca tenha sido alvo de qualquer acusação relacionada com o empresário colombiano.
Saab era procurado pelas autoridades norte-americanas há vários anos, suspeito de acumular numerosos contratos, de origem considerada ilegal, com o Governo venezuelano de Nicolás Maduro.
Em 2019, procuradores federais em Miami, nos EUA, indiciaram Alex Saab e um seu sócio, por acusações de operações de lavagem de dinheiro, relacionadas com um suposto esquema de suborno para desenvolver moradias de baixa renda para o Governo venezuelano, que nunca foram construídas.

Dans la même catégorie