MAP Le Rwanda adopte des mesures strictes pour contrer une troisième vague de Covid-19 MAP Le Niger et le Nigeria confrontés à une « crise nutritionnelle majeure » chez les enfants (MSF) MAP Elections en Ethiopie : fermeture des bureaux de vote (Conseil national électoral) MAP Rabat abrite l’exposition « Delacroix, souvenirs d’un voyage au Maroc », une première en Afrique et dans le monde arabe MAP La CAF veut rendre le football africain plus compétitif (Président) APS SÉNOBA : LES POPULATIONS DÉPLORENT LE MANQUE D’EAU ET D’ÉLECTRICITÉ GNA Infant jaundice: what public needs to know and do? GNA Kenyan MP commends Ghana’s COVID testing speed GNA World Refugee Day: Ghana’s refugee population stands at 14,000 GNA 94 per cent of children fear unemployment in future

Greve/UNTG anuncia nova paralização na função pública para o próximo dia 18


  15 Janvier      36        Politique (17386),

   

Bissau,15 Jan.21(ANG) – A maior central sindical do país, a União Nacional dos
Trabalhadores da Guiné- UNTG- decretou para o próximo dia 18 à 22 deste mês uma nova paralisação da administração pública por o governo não responder suas exigências na primeira greve decreta este ano.

O Secretário-geral Júlio Mendonça , num encontro com a imprensa, disse  que vão retomar o antigo modelo de paralisação da função pública, isto é, todas às terças às quintas-feiras de cada semana para manifestar seus descontentamentos relativamente a criação de cinco novos impostos pelo governo.

“Na próxima semana, vamos paralisar a administração pública durante quatro dias e na semana subsequente, será de três dias, isto é todas as terças à quinta-feira de cada semana até que o governo cumpra com as nossas obrigações”, anunciou, acrescentando que no próximo sábado, vão sair a rua numa marcha em parceria com o sector privado para manifestar seus descontentamento relativamente a criação de cinco novos impostos pelo governo.

O responsável máximo da UNTG referiu que o novo imposto decretado pelo governo vai criar caos social aumentando assim o desemprego.

 “ Esses impostos obrigará fechos de várias empresas aumentando assim o desemprego, a capacidade de compra vai diminuir, então, haverá problemas sociais. Toda esta desgraça pode ser evitada com a decisão do presidente de República em não promulgar o orçamento aprovado recentemente pelos deputados”,disse.

Relativamente a não adesão da Confederação Geral dos Sindicatos Independentes às greves convocadas, júlio Mendonça sublinhou que a UNTG não é mediador mas sim defensor dos interesses dos trabalhadores.

“Se a outra central sindical quer adoptar a postura de mediador, isso é sua escolha, no nosso estatuto a UNTG não é mediador, está para promover o direito e defender os interesses dos trabalhadores” disse.

Por outro lado, considerou que o Presidente da República quer menosprezar a UNTG, acrescentando que é absurdo alguém querer comparar a central sindical com um sindicato, isso numa clara alusão a declaração de Sissoco Embaló.

No final de um jogo dos órgãos da soberania, no sábado passado, Umaro Sissoco Embaló afirmou que os sindicatos negoceiam com directores de serviços, adiantando que não vai permitir arrogâncias no país.

 Júlio Mendonça anunciou que depois da primeira paralisação da semana passada, toda a sua direcção já foi e continua a ser alvo de ameaças sem mencionar o responsável pelas ameaças.

Dans la même catégorie