STP-Press Ministro Adlander de Matos recebe delegação portuguesa do Ministério de Trabalho numa missão do reforço da cooperação AIP Côte d’Ivoire/Réflexions à Yamoussoukro sur des plans de développement du pétrole et énergie en Côte d’Ivoire AIP Côte d’Ivoire/ La construction d’un pont à deux voies souhaitée sur la rivière Bâ à Broukro-Banouan AIP Côte d’Ivoire/ CEPE 2019: Un taux national de réussite de 84,48% enregistré AIP Côte d’Ivoire/ BTS 2019 : Plus de 360 candidats à Dimbokro APS VERS LA RÉHABILITATION DES CENTRES D’APPUI AU DÉVELOPPEMENT LOCAL (MINISTRE) APS CASAMANCE : DES POURPARLERS RÉCLAMÉS POUR ‘’ÉTEINDRE LES SIGNAUX ROUGES’’ ACP L’évêque de Butembo-Beni plaide pour la catégorisation des refugiés à accueillir GNA ROPAA Committee begins engagement of Diaspora GNA “Rehabilitate our roads”, communities in Ayensuoanu appeal

« Sucessivos governos ignoram estratégias da defesa militar do país », diz o CEMFA


  14 Novembre      22        Securité (5186),

   

Bissau, 14 Nov 18 (ANG) – O Chefe de Estado Maior da Força Aérea (CEMFA), confirmou esta terça-feira que os sucessivos governos que passaram no país, não têm pensado na defesa militar do país, nas vésperas da celebração dos 54 anos da fundação das Forças Armadas Revolucionarias do Povo (FARP).

Em entrevista concedida á imprensa, por ocasião das comemorações dos 54 anos da criação das FARP que se assinala nom próximo dia 16 de Novembro, Ibraima Papa Camará revelou que anteriormente o país tinha meios suficientes para a defesa integral do espaço aéreo nacional em todos os vertentes, nomeadamente homens e materiais adequados para o efeito.

« Mas hoje em dia, o país perdeu tudo, e por cima não está ainda á acompanhar as exigências que as novas tecnologias militares exigem », justificou o Chefe de Estado Maior da Forca Aérea.

Para Papa Camará, a Força Aérea Nacional está sob o comando do Estado Maior General das Forças Armadas (EMGFA), acrescentando que no festejo de 16 de Novembro a sua corporação irá festejar a data de acordo com as instruções ditadas pelo Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas guineense, Biaguê Nan Tan.

« Apesar de alguns técnicos já desapareceram fisicamente e não estão entre nós hoje em dia, por força de desespero total do Estado, a Força Aérea Nacional dispõe ainda de quadros capazes de aplicar os seus conhecimentos para o bem da pátria caso forem criados condições para trabalharem », diz Ibraima Papa Camará.

De acordo com o Chefe da Força Aérea guineense, o país enfrenta um total retrocesso em relação ao avanços tecnológicos militar que outros países se dispõem.

« Quero que todos saibam que a defesa militar de qualquer país do mundo nunca é improvisado, porque exige constantes treinamentos e reciclagens para permitir que as nossas Forças de defesa estejam á altura de defender a nossa pátria », comprovou Papa Camará.

Questionado sobre a diferença que existe entre a Força Aérea antiga e actual, aquele responsável sublinhou que dantes a Força Aérea dispunha de condições incomparáveis com a actual.

« Recordo que no passado, a Guiné-Bissau era alvo de ataque armado de algum país vizinho, por motivo de exploração de petróleo, mas na altura as nossas forças militares se encontravam fortemente equipadas com homens preparados para dar a resposta e posicionamos de imediato no local para impedir a invasão da referida força inimiga », recordou Camará.

Acrescentou por outro lado que á actual Força Aérea, tem apresentado aos sucessivos governos as dificuldades que este sector militar enfrenta, mas nenhum deles mostraram vontade de resolve-las.

« É pena que o nosso território nacional corre o risco de cada dia ser invadido pelos vizinhos concretamente nas zonas fronteiriças, por falta de condições adequadas que as nossas forças armadas carecem », descreveu o Chefe de Estado Maior da Força Aérea.

Ibraima Papa Camará recordou por outro lado que pós-independência não havia muitos doutores no país, e nessa altura, as Forças Armadas Guineense estavam bem organizadas e equipados, contrariamente com actuais momentos em que triplicaram os números dos doutores mas que em fim estão a criar mais retrocesso ao país em todos os sectores.

Dans la même catégorie