ACP Deux cents supporters des Léopards en route pour Yaoundé à bord d’un vol affrété par le gouvernement ACP Tenue de la Journée d’information sur la santé mentale et les droits humains Inforpress Ministro do Desporto aponta criação do IDJ como uma das “grandes reformas” institucionais do sector ACP Les acteurs de la société civile appelés à se prononcer pour la paix ACP Kigali et Kinshasa engagés à améliorer leurs relations de coopération ACP La RDC présente la candidature de Faustin Luanga Mukela au poste de Secrétaire exécutif de la SADC ANG Cooperação/Umaro Sissoco Embaló e José Carlos Fonseca “registam com apreço” progressos políticos alcançados nos países da CEDEAO ANG Auto estrada Bissau-Safim/ Presidente da República recomenda governo a indemnizar proprietários dos imóveis atingidos pelo projecto ANG COVID-19/SEGUNDA VAGA ESTÁ A SER MAIS MORTÍFERA EM ÁFRICA – UA Inforpress Primeiro-ministro inaugura este sábado obra de reabilitação do ex. Campo de Concentração do Tarrafal

Associação Maense em Portugal oferece kits escolares aos alunos das famílias mais desfavorecidas da ilha


  8 Décembre      16        Education (4133),

   

Porto Inglês, 08 Dez (Inforpress) – A Associação Maense em Portugal distribui 350 kits escolares aos alunos do ensino básico e secundário, pertencentes as famílias mais desfavorecidas da ilha do Maio, enquadrada na sua campanha solidária “A cada criança um kit mais uniforme escolar”.
Segundo o membro da (AMP) na ilha do Maio, Ulisses Duarte, esta distribuição enquadra-se na sua política de acção socio-escolar e na descentralização da sua acção, assente na ideologia de Paulo Freire “Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda”.
A referida campanha, de acordo com Ulisses Duarte, possibilitou contemplar 350 kits escolares as crianças das famílias mais desfavorecidas de todas as escolas e localidades do ensino básico obrigatório 1º,2º e 3º ciclos da ilha do Maio, e uniformes aos alunos do ensino secundário que preenchiam os mesmos requisitos.
“Trabalhamos muito para que os kits e uniformes fossem entregues no início do ano lectivo, mas há situações que não estão sob o nosso controlo, nomeadamente as burocracias ligadas aos serviços aduaneiros, empresa de fornecimento das batas e uniformes, bem como os sucessivos estados de emergência ditaram o atraso na entrega”, fez saber.
“Mesmo assim estamos convictos que semeamos sorrisos nas crianças e adolescentes e aliviamos uma grande franja das famílias que viram as suas vidas agravando ainda mais com o contexto da pandemia que vivemos”, acrescentou.
Aquele representante da AMP salientou ainda que esta iniciativa visa primeiramente, permitir que todas as crianças e adolescentes das famílias mais carenciadas possam frequentar o ano lectivo sem grandes constrangimentos, frisando, por outro lado, que o objectivo inicial era cobrir uma fasquia maior, quiçá atingir cem por cento dos alunos, mas tratando de uma instituição de cariz social sem fins lucrativos não se vislumbrava fácil mobilizar mais recursos e meios em tão curto espaço de tempo.
“Efectivamente, trata-se de uma grande operação para a AMP, uma vez que foi necessário mobilizar um investimento de cerca de 550.000 escudos, que só foi possível graças as pessoas singulares de boa vontade, alguns emigrantes maienses nos quatro cantos do globo e das instituições parceiras amigas”, informou.
Aproveitou a ocasião para agradecer o apoio recebido pela Associação Safende Tudo Ora e da Delegação do Ministério da Educação na ilha do Maio para o sucesso de toda a operação de logística, despachos e distribuição.

Dans la même catégorie