MAP La BAD et Inwi scellent un partenariat pour soutenir les start-up innovantes MAP Remise du prix Brahim Akhiat pour la diversité culturelle dans sa 2ème édition MAP M. El Malki se félicite du cheminement de la coopération avec le FOPREL MAP Une association marocaine lauréate du Prix Prince Mohamed Ben Fahd pour la meilleure action caritative MAP Le Maroc, pionnier dans la lutte contre la pandémie du coronavirus (Nabil Benabdallah) MAP Groupe de soutien à l’intégrité territoriale du Maroc à Genève: plein appui à la souveraineté du Royaume sur son Sahara MAP Marrakech : Immersion dans l’univers artistique d’Isabel Alonso Vega et Bence Magyarlaki MAP Covid-19: le HCR et la JICA mettent en place un projet de 275.000 dollars en faveur des réfugiés résidant au Maroc MAP L’artiste-plasticien Abderrahim El Hassani expose ses œuvres à Fès AGP Boké/société: Le siège de la préfecture, nouvelle cible des voleurs de motos

Diáspora: Eurodeputada de origem cabo-verdiana Mónica Semedo deixa Partido Democrático do Luxemburgo


  28 Janvier      15        Politique (15371), Société (29244),

   

Cidade da Praia, 28 Jan (Inforpress) – A eurodeputada de origem cabo-verdiana Mónica Semedo, eleita pelo Partido Democrático (DP) do Luxemburgo, anunciou a sua saída do partido, na sequência da sua suspensão do Parlamento Europeu devido actos de assédio moral contra os seus assistentes parlamentares.
A notícia é avançada pelo jornal luxemburguês Contacto, que indica que a deputada do DP comunicou a sua saída do partido na noite de terça-feira, 26.
Essa decisão surge depois do caso de assédio moral a três membros da sua equipa no cargo de eurodeputada, que levou o presidente do Parlamento Europeu, o italiano David Sassoli, a suspendê-la no dia 18 das suas funções por um período de 15 dias.
Na sequência deste caso, informou, os três assistentes parlamentares da deputada de origem cabo-verdiana despediram-se dos cargos.
Numa mensagem divulgada na sua conta oficial do Facebook, Mónica Semedo refere que “gostaria de se ter expressado de forma diferente nos últimos dias, mas o DP aconselhou-a a não o fazer”, uma recomendação que aceitou para proteger o partido.
Segundo a mesma fonte, a eurodeputada de 36 anos disse ainda que nos últimos dias “perdeu a confiança” e sentiu que o apoio do partido mudou, daí ter decidido sair.
“Mónica Semedo não frisa, no entanto, se tenciona deixar o cargo de deputada europeia, avançando apenas que vai continuar a empenhar-se a 100% em prol da população”, lê-se no jornal Contacto.
Depois do anúncio da eurodeputada, o Partido Democrático, através de uma nota, disse ter tomado conhecimento da decisão de Mónica Semedo através das redes sociais.
O DP assegurou ainda que o comité executivo do partido falou várias vezes com a eurodeputada, deixando claro que o assédio moral “é inaceitável”.
“Por respeito às três parlamentares vítimas de ‘bullying’, foi pedido a Mónica Semedo que não falasse à comunicação social até o assunto ter sido discutido pelo partido. Considerando que não vira as costas aos seus membros, o DP lamenta que Mónica Semedo tenha tomado esta decisão de forma unilateral, sem ter consultado o partido liberal”, lê-se na mesma missiva.
Na mesma nota, o DP diz que defende valores como “anti discriminação, respeito e tolerância”, valores que todos os seus membros devem respeitar.
Filha de imigrantes cabo-verdianos no Luxemburgo, Mónica Semedo conquistou um assento no Parlamento Europeu pelo DP em Maio de 2019.

Dans la même catégorie