ANP Maradi : Saisie d’armes à feu à Dogoua Kourya (commune de Sae Saboua) ANP Niger : Les députés adoptent les modifications apportées au Statut Autonome du personnel de l’Assemblée Nationale ACP Mme Nelly Lumbulumbu parle des atouts de la femme ACP Kasaï Central : le Centre « Bamamu Tabulukayi » s’affirme dans la lutte pour la dignité de la femme ACP Spéciale JIF : la femme au service de la lutte contre la COVID-19 dans la province du Kasaï ACP Spéciale JIF : bravoure incontestée de la femme du Kasaï Central ACP L’acquisition d’un kit de matériels médicaux saluée par les habitants de Kagelya en territoire de Pangi. ACP 65 nouveaux cas confirmés de Covid-19 enregistrés jeudi en RDC ACP Kasaï Central : comparution prochain de deux nouveaux renseignant dans le meurtre de deux experts de l’ONU ANG Covid-19/Brasil “constitui uma ameaça para o planeta”

Presidente do Museu de Educação desafia futuro Governo a oficializar e introduzir ensino da língua cabo-verdiana nas escolas


  22 Février      10        Arts & Cultures (1486),

   

Cidade da Praia, 22 Fev (Inforpress)- A presidente do Museu de Educação, Clara Marques, lançou sexta-feira um repto a todos os partidos políticos para que na próxima legislatura a oficialização da língua cabo-verdiana e o seu ensino nas escolas seja uma prioridade.

“Deixo um repto no sentido de, na próxima legislatura, que seja uma das prioridades do Governo fazer de tudo com que a língua cabo-verdiana seja oficializada, seja ensinada nas escolas, que se criem condições pedagógicas, materiais e didácticos, no sentido de podermos realmente começar a ter paridade entre a língua cabo-verdiana e a língua portuguesa”, desafiou Clara Marques.

Clara Marques falava em declarações à Inforpress, no âmbito de uma palestra “Língua Materna: O que queremos? O que podemos fazer?”, realizada pelo Museu de Educação e destinado aos alunos e professores da Escola Secundária “Cónego Jacinto”.

Esta palestra, que serve para comemorar o Dia da Língua Materna, que se assinala no dia 21, é, segundo a mesma fonte, uma forma de consciencializar os estudantes a darem, cada vez, mais importância a língua materna e a reflectirem sobre o trajecto feito desde 1978 até a data de hoje.

Conforme explicou, antes da independência de Cabo Verde era proibido o ensino do crioulo nas escolas, mas, depois da independência havia uma “grande expectativa” de que a língua cabo-verdiana iria ter um estatuto diferente.

Isto porque, precisou Clara Marques, depois de 78 foram criadas várias condições para este reconhecimento, foram realizados vários fóruns sobre a língua cabo-verdiana, com destaque para o colóquio de Mindelo, a comunidade linguística tem feito muita produção literária, foi criado o ALUPEC.

Entretanto, o passo “mais importante” que é a sua oficialização não foi dada, criticou.

“Já é altura de se fazer esse reconhecimento, ou seja, aprovar, oficializar a língua cabo-verdiana. Começamos com uma experiência interessante a nível da educação, há quatro anos, com várias escolas, aquilo correu bem, mas, no entanto, nesses quatro anos nada se falou, ou seja, dá-se três ou quatro passos e torna-se a ir para trás”, disse, sustentado que dessa forma jamais terão a língua materna como língua oficial.

Clara Marques apelou à vontade política do próximo Governo que vai liderar o País e exortou a comunidade linguística a impulsionar a criação do Dia Nacional da Língua Cabo-verdiana, para que este dia sirva para reflexão e para valorização da língua materna, que é a identidade do povo cabo-verdiano.

Na mesma linha, a linguista Adelaide Monteiro, que pede a oficialização e o ensino da língua cabo-verdiana, informou que hoje em dia há muitos instrumentos que permitem com que as pessoas possam conhecer a língua e ainda ensinar o crioulo, desde gramática, dicionário, e muitos outros livros de autores cabo-verdiano.

Dans la même catégorie